Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Runner Wannabe

Corredora amadora à beira dos 40, que aspira um dia começar e terminar um trail: a respirar, a conseguir proferir palavras do tipo “ajudem-me” e “água” ... e em controlo das suas funções biológicas básicas.

Runner Wannabe

Corredora amadora à beira dos 40, que aspira um dia começar e terminar um trail: a respirar, a conseguir proferir palavras do tipo “ajudem-me” e “água” ... e em controlo das suas funções biológicas básicas.

14
Ago17

Treinos, praia, bolas de berlim e o longo de ontem!


Runner Wannabe

 

A última vez que aqui deixei umas palavras foi há 2 semanas. Desde então, corri em asfalto, fui à osteopata, fiz pequena pausa, fiz uns dias de praia, corri na areia, corri no asfalto em sobe-e-desce, comi bolas de berlim, regressei ao ribatejo e fiz ontem um treino longo!

 

Depois da semana do catano  seguiu-se uma semana calminha, com somente dois treinos.

 

Semana 1

O primeiro treino (3F), foi uma coisa ligeira, só para meter as pernas a mexer e tentar expulsar o cansaço...mas ele estava lá, e não queria sair! Bem que o tentei sacudir (no domingo anterior tinha feito pela 1.ª vez 11km, num ritmo muito interessante, para mim), mas as pernas pediam descanso e fiz-lhes a vontade, tendo parado o jogging ao fim de 3km.

 

Dois dias depois (5F) voltei a calçar as sapatilhas e desta vez, fiz um treino de 7km, num ritmo médio que achava não ser possível atingir por agora: 6:12 min/km!

Terminei a frase anterior com um mero ponto de exclamação para exprimir alguma excitação, mas garanto que fiquei doida, incrédula, expectante, contente, desconfiada ...e com vontade de dançar, saltar e coisas assim!  :)

 

 

No dia seguinte, 6F, rumei até à capital para ser observada por uma osteopata, devido a umas dormências que comecei a sentir, nas mãos e num pé. Veredicto: cervicais e bacia desalinhadas! Após uns estalinhos - em posições sobejamente engraçadas – algumas peças devem ter voltado ao local original, porque os sintomas começaram a diminuir de intensidade. As recomendações de não correr ou fazer esforços durante 3 dias, foram cumpridos na íntegra, pelo que não houve treino longo no Domingo passado, altura em que já me encontrava em terras algarvias para fazer uns dias de praia!

 

Semana 2

As dormências foram diminuindo de intensidade e duração e o embargo à corrida foi levantado na 3F (8 Agosto). Quem não se levantou a tempo e a horas de ir correr, fui eu! Acordei tarde e eram horas de rumar à praia, não para fazer jogging! Pensei em deixar o treino para o dia seguinte...assim descansava mais um dia...pois, está bem...assim que assentei arraiais no areal...vesti calção e lá fui eu, descalça, ao longo da linha de água!

Tão bom correr descalça, na areia! :)

Não quis exagerar na dose e fiz uma coisa curta: 3,3km a 6:39min/km. Soube bem, mas a pouco!

 

Foto meramente ilustrativa.

 

No dia seguinte (4F), não ia falhar uma corridinha bem cedo! Tinha visto um percurso que me pareceu interessante pelo google maps, mas sabem que mais...também não o segui!

 

Imaginem a cena: desertinhos para correr, equipados a rigor (mais ou menos), pré-aquecimento feito e agora na fase de escolha da música certa para abrir as hostilidades. Passa uma corredora, vinda não sei de onde, num ritmo que só alcanço lá para o km 4 ou 5. Bem, rapaziada...parecia que tinha ouvido o tiro de partida! Saí na sua peugada, mas cedo vi que não havia pedalada para aquela queniana! Decidi segui-la a uma distância razoável, pois pareceu conhecer a vizinhança, logo sabia quais os melhores percursos para correr...a subir e a descer...

Eu ia morrendo!

 

Não estou habituada a correr em modo sobe-e-desce...e contra o vento! Fiquei-me por um modesto percurso de 3,5km que fiz a 6:40min/km... e quando parei... parecia que me tinham despejado um balde de água pela cabeça abaixo. Para muitos, transpirar profusamente na cabeça e rosto é normal, para mim não! Há pessoas que só de estarem ao Sol, começam a exibir pequenos ribeiros de transpiração cuja nascente está na cabeça, comigo isso nunca acontece! Mas naquele dia aconteceu!

 assim...

 

Sad pela distância, happy pelo ritmo e a transpirar água que não sabia que tinha!

Uma pessoa nunca está contente...e isso pode ser bom...

 

Segundo pequeno almoço tomado e...praia comigo ainda a remoer aquele treino matinal!

Após o ritual de barrar o corpo com protector solar, resolvo ir até à linha de água, para ver como estava a temperatura da mesma, quando notei que os gémeos da perna esquerda estavam tensos. Corri em modo jogging ultra lento para sacudir aquela tensão...e depois continuei... e parei cerca de 26 minutos depois! Eh eh!

Não levei telemóvel, mas pela duração aproximada da corrida e pela contagem posterior da distância, deu qualquer coisa como 3,8km a 6:50min/km. Os gémeos não se queixaram e fiquei muito satisfeita com esta 2.ª sessão de treino!

 

Se na 5F descansei, na 6F cheguei à conclusão que treinos intervalados não são para mim!

 

Receita para o desastre:

1) estares na praia e achares que correr descalça na areia (molhada e compactada), é muito giro;

2) se não se trata de asfalto, o impacto é menor, logo as articulações estão mais protegidas..logo podes abusar;

3) as bolas de berlim, têm de ser “abatidas”

4) achares que o descontrolo crónico na tua percepção de velocidade...não é relevante...

 

Depois de 2km de aquecimento – em areia – marquei 100m e fiz 6x (100m rápidos + 100m de recuperação). Finalizei com 1,5km para recuperar.

 

Não vou colocar aqui os números...porque vão-me chamar doida insana! Adianto somente que se o treino intervalado fosse  6x(100m sprint + 100 rápidos)... embora padecendo do exagero melodramático, ainda assim estari mais próximo da realidade!

Pronto não se fala mais nisto! Assunto encerrado...por agora.

 

E depois veio o Sábado.

Tinha planeado descansar, até porque regressava para cima a meio da tarde, numa viagem sempre maçadora de 4h.

Acordei por volta das 6:30 e lembrei-me que me faltava visitar um sítio especial e que apesar de estar fechado às ditas horas....tinha de lá ir! Se fosse a caminhar seria apertado em termos de tempo, pois ainda tinha de arrumar o saco, despejar frigorífico e arrumar um monte de coisas, antes de ir para a praia (sim, aproveitar até dar!). Então tive uma ideia, que na altura pareceu excelente! Saltei da cama, tomei mini pequeno almoço e calcei as sapatilhas...e fui a correr! Foram 4km de sobe-e-desce, fora do programa, a uma média de 7:15min/km...e eu que devia estar a descansar para o longo de Domingo (ontem)! Pois...

Depois de meio dia na praia, regressei ao Ribatejo. Cheguei com as pernas tensas de 4 horas de viagem e comecei a ver o treino longo de Domingo, num universo paralelo e, para a ajudar à festa, deitei-me demasiado tarde!

 

Antecipei que a coisa iria invariavelmente dar para o torto...

 

Domingo dia de treino longo, acordei 15 minutos antes da hora (6:45).

Sentei-me na cama para perceber como estava o corpo. Parecia estar tudo normal.

Vesti o equipamento, alonguei um pouco e saí para o local de treino, em modo jogging/aquecimento, onde planeava lançar-me a um treino de 10km, mas que se corresse bem até poderia ampliar a distância. Sabia que estava cansada, que havia também a possibilidade de não ir aos 10k e/ou concluir com o ritmo médio modesto (até mesmo para mim)!

Pensei em fazer um treino progressivo. Começar lento e ir progressivamente fazendo ritmos mais rápidos de modo a que a 2.ª parte da corrida fosse mais rápida que a primeira, mas com ritmos mais certinhos e não tão descompassados como os meus. Mas estas eram as linhas gerais, na hora H, preferi esta receita: “vou fazer o melhor que consigo, consoante o que for sentindo” e ao som da minha playlist!

O treino correu muito bem, apesar do km 2 ter sido francamente mais lento. Mais tarde, uma dorzinha na anca entre o km 6 e 7 fez-me abrandar novamente, dor que acabou por desaparecer, altura essa em que aproveitei para dar um bocadinho de gás, para compensar os kms mais lentos.

 

 

Km

Ritmo (min/km)

1

06:38

2

07:25

3

06:13

4

06:53

5

06:51

6

06:29

7

07:02

8

06:16

9

06:10

10

05:40

Ritmo médio:

6:34min/km


Apesar de nos primeiros quilómetros não me ter sentido muscularmente muito disponível, lá fui gerindo a corrida como pude. A partir do km 7...sei lá o que me deu, o que sei é que me sentia concentrada, sem pressão e a fazer o melhor que conseguia! Cheguei a comentar com um amigo, que durante a corrida era como se a minha mente estivesse no quarto ao lado do quarto, onde a lamechice, a falta de confiança e o medo costumavam fazer uma festa! Não sei explicar melhor, foi isto que senti! Senti a mente blindada e à prova de bullshit!

 

Terminei o treino com o tempo final de 1:05:44, retirando 2min e 8seg ao anterior tempo aos 10k! :)

Fiquei super contente por ter feito um tempo melhor, que acaba por valorizar ainda mais, tendo em conta que não descansei nos dois dias anteriores, como faço com qualquer treino longo!

Como as minhas reacções passam por todo o espectro do 8 ao 80...

 

O 8...

e...

 

...o 80...

 

Pronto, mas já passou. Já estou focada nesta semana! 

Dado que na semana 2 fiz 4 treinos – acho que nunca tinha feito 4 treinos semanais – vou descansar um bocadinho mais e o treino da próxima 3F (madrugada), vai ser coisinha leve. O suficiente para aquecer para posterior sessão de reforço e flexibilidade, só para evitar chatices e monitorizar a anca, até porque a bacia estava desalinhada, andei a correr em modo sobe-e-desce...sem esquecer que corri descalça na praia  - que é terreno sempre desnivelado!

Aguardemos!

 

Boas corridas a todos!

 

PS - quanto às bolas de berlim? Normais ou de alfarroba...mas sempre, sempre com creme! Uma por dia (420 calorias) porque tive de prometer a mim mesma, que este ano não haveriam sessões duplas!

Prometido, mas dificilmente cumprido!

 

2017-08-08 11.40.45.jpg

Bola de berlim de alfarroba, entupida de creme!

 

 

30
Jul17

Semana do catano!


Runner Wannabe

No treino de 3.ªF, pensei em fazer uma coisinha leve para descomprimir do treino anterior, que foi mais rápido que o habitual.

Sabem aqueles dias em que fazemos tudo ao contrário do planeado, como se forças superiores baixassem em nós e nos obrigassem a cumprir um qualquer desígnio? Pronto...foi isso!

Então não é que acabei por fazer uma espécie de treino intervalado, que vi algures!

 

Treino intervalado tal como proposto:

- 20' ritmo lento;

- 5x 2' ritmo rápido seguido de 3' pausa activa;

- 20' de ritmo lento.

 

“Em cima do joelho”. decidi fazer uma versão aldrabada do referido treino intervalado.

Eis o resultado:

 

15' a ritmo lento (7:01min/km);

3x 2' ritmo rápido seguido de 3' pausa activa;

10' ritmo lento (6:54min/km).

 

Como não tenho muita noção dos ritmos, é excusado dizer que ritmo rápido...é aquilo que o meu cérebro acha que é...rápido! Efectivamente rápido e sprint apesar de palavras diferentes, depois na práctica...é quase tudo o mesmo, não é...? Pois...ia-me matando logo de início! Não fossem haver 3 minutinhos logo de seguida para recuperar...não sei se o treino não acabaria ali!

Recuperei e lá fiz mais dois ciclos “daquilo”, arrumei a trouxa e rumei a casa em ritmo lento, para  ressuscitar “arrefecer”.

O aspecto positivo deste treino? Sobrevivi para contar a história!

 

O treino de 5F

 

Este treino, foi uma coisa do outro mundo! O resumo resumido é o seguinte: 6,6km a ritmo médio de 6:18min/km.

Por outras palavras, atingi velocidades supersónicas – para mim.

 

Eu, no treino de 5.ªF.

 

 

Não tenho justificação, não sei o que aconteceu! Cheguei fresquinha que nem uma alface e quando no final vi os dados, ia-me dando uma coisa!

Andei a "mastigar" estes dados durante dois dias e atazanei a cabeça a duas ou três pessoas. Custava-me acreditar...agora já estou mais mentalizada! :)

 

Treino longo de Domingo

 

Convenhamos que desde Domingo passado, os treinos correram bem, apesar de eu desconfiar sempre de coisas muito boas - ao ponto de chegar a pensar que a aplicação estava a dar resultados demasiado optimistas!

Depois do treino de 5F, pensei na possibilidade de esticar a distância, num percurso novo de 13km (ida e volta). O objetivo era aumentar a distância, sem qualquer preocupação de tempos finais, ritmos ou velocidades!

 

E não, não conclui os 13km! Antecipei em cerca de 1km o ponto de viragem e regressei a casa.

Porquê? Porque na altura achei que se seguisse o plano inicial, provavelmente faria o último km a caminhar. Mas isso, é que nem pensar!

Senti-me insegura nalguns segmentos do percurso. Tive de lidar com duas subidas (e descidas) a uma ponte com 800m de comprimento, em que a passagem para peões tem cerca de 1m de largura e o piso são placas de ferro mal fixadas e que estavam molhadas pela humidade matinal. Mas mais chato - e perigoso – foi um segmento de talvez 500m (que tive de percorrer 2 vezes), em que o asfalto está muito irregular e esburacado nas bermas, devido à passagem de máquinas agrícolas. Pronto, isto para dizer que não andei propriamente em estrada lisa e plana ou ciclovia – como é costume – e que estes pormenores obrigaram-me a esforçar mais que o habitual.

Cheguei a casa em esforço...

As pernas estavam a ficar pesadas...

Não tinha feito o planeado...

Não estava satisfeita...

 

Abri a aplicação e bati com os olhos nos 11km... Já não me apeteceu ver mais nada! Amuei!

Antecipando no dia anterior, que iria dar o litro e mais uma pinga, preparei vários sacos com água que deixei a congelar para poder “demolhar”  hoje as pernas em água bem gelada, numa sessão improvisada de crioterapia.(Já disse em ocasião anterior que tenho uma hortinha – biológica - e uso bidons de muitos litros como reservatórios de água, que vem dum poço, para proceder às regas.)

Enchi um bidon e juntei cerca de 5L de gelo. Aguardei e demolhei durante 10 minutos! Bem bom, é o que vos digo!

 

2017-07-30 08.08.57.jpg

Ainda dá para ver algum gelo.

 

Terminada a sessão e ainda de birra por não ter cumprido com o planeado, lá me digno a ver os restantes dados da aplicação, mentalizada para o descalabro total!

Olhei várias vezes para os números, incrédula! Então não é que os 11km foram feitos em 1:13.41, a um ritmo médio de 6:40min/km?

Multidão, só não saltei frenéticamente - ou ligeiramente - porque as pernas estavam geladas, literalmente!

 

E como isto ficou fora de questão...(oh, eu sei!)

 

 

tive de me contentar com isto! 

 

 Resumindo:

 

Domingo passado: 8,06km a 6:45min/km;

3.ªF - sobrevivi a um treino intervalado completamente aldrabado!

5F – 6,6km a 6:18min/km;

Hoje – 11km a 6:40 min/km.

 

Foi uma excelente semana de treinos! Estou oficialmente contente! 

 

Thank´s Meryl, love you too!

 

 Boas corridas!

 

24
Jul17

Uma pausa merecida!


Runner Wannabe

 

Depois de ter sentido uma "comichãozinha", alertando-me para um eventual excesso de carga, comecei a pensar em fazer uma pausa para descansar.  Acolhi tão bem a ideia, que fiquei espantada comigo mesma!

 

Decidi fazer uma espécie de férias! E se dúvidas haviam, o empurrãozinho final foi dado pelos registos dos últimos tempos:

Maio -  23,30 km (em 3 semanas e lesionada)

Junho - 67,5 km

Julho - 42,5 (nas duas primeiras semanas...)

 

Como se pode ver, foi sempre a aumentar a carga! E com o aumento de forma, começaram a aparecer ritmos um pouco mais rápidos (vá...não muito rápidos...eu sei!)  e as distâncias também começaram a esticar e assim sucessivamente!

Sim, férias, definitivamente! Não só achei mercê-las, como achei que me faria bem descansar fisicamente!

 

Como antecipado na última publicação, reduzi o treino de Domingo (dia 16), que passou de longo a um médio de 5,5km num ritmo lapa de 7:28min/km! Sai um especial agradecimento para a Dona Insónia, que só me deixou dormir 3 horas na noite anterior, e para o pequeno almoço vestigial, de tão enjoada que fiquei, por não ter dormido o suficiente!

Não ir correr também nunca foi hipótese!

Penei...nas fi-lo! E este foi o último treino antes das "férias"!

 

Férias...será que uma semana se qualifica como férias, nestas coisas da corrida?

Pois não sei, mas foi esse o tempo de "paragem"!

Na realidade não parei, reduzi a carga para um total de 8km, mas em abono da manutenção da forma física, fiz duas sessões de reforço muscular e duas de flexibilidade -  que estou a ficar velhota e preciso de articulações oleadas!

 

Primeiro treino após "férias" 

 

Domingo, 23 de Julho

O despertador bem que tocou às 6:15h...mas sentia-me demasiado cansada para acordar!

Virei-me para o outro lado e ferrei-me ainda mais a dormir. Quando volto a acordar – quase em pânico - pensava que a manhã ia a meio,  mas não, eram quase 8:00h (ufa)! Já era tarde para correr - segundo os meus hábitos - mas a manhã ainda era uma criança para os não-corredores e não-ciclistas e não-adeptos-de-pesca e não me lembro de mais ninguém!

 

Apesar do atraso, o corpo não me pedia grandes pressas para fazer o quer que fosse! Arrastei-me em passo caracol, de um lado para o outro, até perceber qual era o meu propósito, naquela névoa que por vezes é a minha existência, pela manhã.

Alonguei.

Saí sem expectativas.

Sem ritmos pré -definidos.

Sem distância pensada.

Sem plano, rascunho ou esquisso de treino.

 

A única coisa que me preocupava marginalmente, era o calor que sabia que iria sentir. É que costumo correr cedo...tipo 6:30, quando está fresquinho, mas desta vez arranquei por volta das 8:30! Passados 15 minutos já estava com a roupa colada ao corpo...não gostei nada da sensação, logo tão no início da corrida.Pelo menos acordei! E quem me veio visitar? A Dona Censura entrou em acção, e vertendo bolhinhas de ironia e sarcasmo, deixou-me esta pérola...deves estar a pensar que vão-se organizar provas de estrada às 6:30 da matina, para a “princesa” não ter calor!!!

Olha não tenho paciência para te aturar!!! – respondi  - e deixei a Dona Censura a borbulhar azedume, na primeira curva que encontrei!

Liguei o MP3 jurássico e deixei-me rolar! Primeiro devagar – mais especificamente 7:42min/km no 1.ºkm...sim consigo ser that much lenta! – depois percebi que estava mais rápida, mas a minha preocupação foi em gerir o esforço e ir prolongando o treino, até achar que estaria na hora de parar (tudo muito científico!).

O calor foi aumentando, como seria de esperar, mas nem por isso senti mais sede, apesar de estar a transpirar muito mais! Mas lá bebi os 125ml, que levei comigo, yey!!!

Do que senti mesmo falta, foi de despejar água no pescoço e ombros – sabe sempre tão bem! - mas 125ml não dão para tudo! :D

 

Cifras

 

Foram corridos 8,06km (número "redondo"! ), em 54:27, a um ritmo médio de 6:45min/km.

Olhem, não achei nada mau, até porque: ia super-relaxada;  com zero expectativas; consegui gerir-me sob temperaturas mais elevadas; não me desconcentrei com as pragas que roguei ao vento (odeio correr com vento); senti o ritmo sempre confortável; e por último... o organismo respondeu à altura e sem sinais de "comichões"!

 Maravilha!!!

 

Pronto e é isto!

Parei uns dias,descansei, recomecei e correu bem -  este encetar não muito declarado - de um objectivo que ainda não consigo admitir, assim às boas, mas que dentro de semanas espero já estar mais segura para partilhar com a multidão! :)

 

Boas corridas!

 

 

 

14
Jul17

Comichãozinha


Runner Wannabe

Treino de ontem

 

Não meti os pés na ciclovia – ando um bocado farta daquilo!

Gizei de véspera um trajecto de  6,8km, pouco ou nada monótono (comparado com a ciclovia), com descidas e subidas não muito acentuadas, às quais corpo & alma responderam em uníssolo!

Fiz aquilo que a malta entendida nestas coisas, chama  de corrida de “trás para a frente”, apenas com quebra entre o km 5 e 5,5 - tratou-se de um segmento com 3 "lombas" consecutivas, onde acabei por abrandar consideravelmente!

Como de costume, os primeiros quilómetros são sempre os mais lentos, mas lá fui gerindo as informações que o corpo me ia dando e acho que desta vez fiz um bom trabalho! 

 

 

 

Aqui estão algumas cifras do treino.

 

5F – 13/07/2017

Km

Ritmo

1

06:58

2

06:55

3

06:49

4

06:33

5

06:26

6

06:41 (lombas!)

6,8

06:08

Ritmo médio: 6:39min/km

 

 

Uma novidade. 

Usei pela primeira vez um cinto de hidratação - já que não ia passar pelo mesmo sítio, vezes sem conta! O referido acessório tem uma pequena bolsa, uma "cartucheira" para os saquinhos de gel e um compartimento para um bidon com capacidade para 0,5L.

Fora de questão - por agora - andar com 0,5L às costas! Que fiz eu então? Basicamente meti em práctica as minhas skills de fada do lar (costureira) e "estrangulei" o espaço do bidon, para ajustar garrafas de 125ml a 250ml, para que não saltassem no -  e do - compartimento! O estrangulamento foi um sucesso!

Acabei por levar uma garrafa de 125ml, que regressou meia para casa! Já tinha dito que não bebo muito água durante a corrida? Onde gasto água - se a tiver - é a refrescar-me. De outro modo, se levar um bidon de 0,5L, bebo 75ml e tomo banho com o resto!

E como me adaptei ao peso e à sensação de ter uma coisa agarrada a mim? 

Passados 100m já não o sentia! Maravilha! :)

 

Nota: naturalmente bebo pouca água, mas desde que recomecei a correr tenho tido mais cuidado. A minha hidratação diária foi reforçada, com especial destaque para o dia anterior ao treino. Nos dias que corro, sinto mais sede - e fome - que o habitual, acabando por beber mais água, pois claro! Portanto...seja porque vá correr ou porque já corri, agora hidrato-me muito melhor! Obrigado corrida!

 

Portanto foi um bom treino - que me deixou bem mais contente que o de Domingo, e experimentei o cinto de hidratação, experiência que correu melhor do que esperado!

Só boas notícias? Não há nada para chatear?

 

Claro que há!

 

Quando arrefeci da corrida.... comecei a sentir uma "comichãozinha" na parte interna do tornozelo esquerdo. Suspeitei que o meu músculo manhoso (tibial posterior), estivesse tenso e por via das dúvidas, fui bisbilhotar. E como suspeitei que o problema estava no músculo? "Dois meses a virar frangos"!

 

Que encontrou ela (eu), afinal ?

Encontrei um ponto de tensão ligeiramente doloroso após compressão, aka um-nó-que-se-está-a-formar-e-tem-de-ser-desfeito-antes-que-"reproduza"! Apliquei logo uma primeira dose de massagens, sobejamente familiares, e entre ontem e hoje, mais duas doses. Parece que a coisa está a entrar nos eixos! :)

Está visto que não posso baixar a guarda!

 

Mas afinal o que poderá ter acontecido?

Exagerei na carga?

 - Talvez.

O ritmo foi demasiado puxado?

 - Não achei, pulmão acomodou bem, músculos também e ainda fiquei com bastante energia nos "tanques"!

O trajecto foi mais desafiador?

 - Isso foi, mas nada que me fizesse cuspir um pulmão!

 

Mas aconteceu alguma coisa de diferente do habitual?

 - Ah, pois aconteceu!

 

Aqui o je, consultou de véspera o site do IPMA, cujas previsões apontavam para uma temperatura máxima de 40ºC, para o dia seguinte! Pela experiência que tenho, nesses dias começa a aquecer muito cedo, portanto se queria escapar a algum calor tinha de levantar mais cedo...

Ainda não sei bem como me arranjei, mas atrasei-me imenso e para não perder mais tempo, que fiz? Achei que prescindir do aquecimento - que faço religiosamente antes de qualquer corrida (5'-7' de jogging +10' de alongamentos),  - era uma ideia razoável!!!

 

Se isto não era um calduço bem aplicado...ou dois!!!

 

           

Não consigo determinar, se este foi o factor que mais contribuiu para a "comichãozinha" no tornozelo e o ponto de tensão no músculo...mas suspeito que terá contribuído!

 

Ok, mais uma evidência para não abrir excepções aos aquecimentos!

 

Pelo andamento da carruagem não me parece que haja necessidade de cancelar treino de Domingo, mas reduzir a categoria de longo para médio, é uma possibilidade.

Mas devo dizer, que não estou sequer stressada! (e isto também é uma novidade....ou será habituação?)

 

Boas corridas!

 

 

 

09
Jul17

10km...yey...


Runner Wannabe

Hoje completei 10km, pela primeira vez.

 

Se estou contente?

Sim, estou....mas ao mesmo tempo estou em modo "no big deal, seriously".

 

Há precisamente 2 meses, estava a reiniciar as corridas, depois de meses de paragem devido a lesões. Hoje, completei 10K (em 1:07:57), sem dores,queixume ou lesão. Devia estar a dar pinotes de contente, não é?

 

 

Mais ou menos assim...ou nesta linha.

 

 Pois...mas não !

 

 É mais isto.

 

Apesar do conseguido, o treino foi muito mal gerido, dado que apertei demasiado no 2.º e 3.º quilómetros, tendo ficado com a respiração descontrolada até ao 5.º. Depois, foi aguentar o desgaste precoce e gerir o resto da corrida.

 

 Tenho a perfeita noção que se tivesse tido juízo, teria feito melhor tempo! Pormenor a corrigir!

 

Que venham mais treinos...e outro humor, já agora!

 

Boas corridas!

 

08
Jul17

Ao grunho que me rasou!


Runner Wannabe

 

Há pessoas que respeitam os ciclistas, outros não! 

 

As que respeitam, entendem e compreendem um conjunto de medidas que tentam salvaguardar....coisa pouca: vidas! Os que não respeitam, fazem ricochete entre  a crença de que "não vai acontecer nada" e uma quase certeza de que "ninguém me vai multar"! Ora, seguir a crença de que "não vai acontecer nada", é basicamente jogar à roleta russa...mas com a vida de outra pessoa! Já o "ninguém me vai multar", é quase uma certeza absoluta, a menos que o ciclista leve câmara e consiga produzir uma prova, que esclareça qualquer tipo de testemunho!

 

Uma das novas regras do código da estrada, estabelece que a ultrapassagem garanta 1,5m de distância entre veículo motorizado e o velocípede - como se estivesse a dar uma novidade a alguém!

 

Assim...

 

 

Hoje numa recta com boa visibilidade, fui ultrapassada por 5 automóveis. O primeiro, uma carrinha tipo Ford Transit (uma autêntica banheira), respeitou a distância de segurança – aquela que tem como objectivo servir a segurança dos ciclistas! Já o segundo automóvel, um Opel Corsa (carro ligeiro e de reduzidas dimensões, comparativamente), não me fez uma ultrapassagem, simplesmente rasou a bicicleta!!! O Grunho! Se se tratasse de um corte de cabelo, teria sido um pente 1!

Os restantes 3 ligeiros repetiram a qualidade da ultrapassagem feita pelo primeiro veículo e salvaguardam a minha segurança! Obrigada condutores conscienciosos!

 

Senhor condutor do Opel Corsa, espero que tenha visto pelo retrovisor o gesto que lhe dediquei! Apetecia-me usar a duas mãos para enfatizar a minha dedicatória, mas não era seguro, foi só mesmo com uma! Dediquei o gesto a si e a todos os condutores que não respeitam os ciclistas...porque o escolhem fazer e nem sequer correm o risco de serem multados – não há brigadas de trânsito a cada 100m!

 

De cada vez que não respeita esta regra, está a colocar em risco a segurança e a vida de quem se desloca em cima de um veículo de duas rodas (não motorizado), que vai em esforço, sujeito ao desequilíbrio, deslocações de ar, mais suscetível às irregularidades do piso e em caso de queda, não tem cinto de segurança ou uma estrutura que contenha grande parte do impacto. 

 

Ao cairmos, podemos fazê-lo para fora da estrada, onde encontramos separadores, árvores, pedras, terreno irregular, canas, desníveis, valetas, vedações, arame farpado, postes, automóveis estacionados, outras pessoas, etc. E o que nos separa do impacto... é vestuário de lycra e um capacete! Se cairmos para dentro da estrada...existem 2 cenários prováveis. Se nenhum carro vier atrás...ficamos estendidos no asfalto, sabe-se lá em que estado; se vier um carro atrás, pode passar-nos por cima!

 

Percebido até aqui?

 

Agora senhor condutor do Opel Corsa que me fez uma razia, imagine que não era eu que ia em cima da bicicleta, imagine que era o seu filho, ou filha, o seu irmão, irmã, esposa, amigo, pai, mãe ou sobrinho! Mas se isso não chegar, seu grunho, imagine-se a si, a ver e a sentir a sua segurança, integridade física e vida, a serem ameaçados por um condutor – que tal como você fez hoje – desconsiderou uma coisa tão básica, como o respeito pela vida humana!

 

Que este tipo de situação nunca lhe aconteça, nem a si, nem aos seus, nem a mais ninguém, grunho!

 

A distância de segurança não é 20cm, 30cm, ou um “acho que já dá” ou “afinal é uma bicicleta”! São 1,5m, porra! E não é uma bicicleta, sua besta, é uma pessoa em cima de uma bicicleta! P-E-S-S-O-A!

Se não der para garantir esta margem de segurança, não ultrapasse, aguarde por uma oportunidade melhor, como gostaria que fizessem consigo ou algum dos seus, ou simplesmente outro ser humano! 

 

Não jogue à roleta russa com uma vida, que não a sua!

 

 

A ponderar mandar fazer uma t-shirt...

 

02
Jul17

Resumo


Runner Wannabe

 

No Domingo passado completei 8,5km. Durante todo o percurso o corpo pediu para parar, mas a cabeça teimou no contrário. Arrastei-me por teimosia, por desafio...já não sei!

 

E no dia seguinte? Ui, ui! No dia seguinte, mais cansaço, com  a pressão arterial baixíssima e com a sensação que morava num corpo estranho, sensação esta que foi desaparecendo ao longo do dia - felizmente - porque estava a ser mesmo muuuuito estranho.

Cansaço acumulado, conclui! 

 

O treino de 3ª.F – que se pretendia ser de recuperação – foi curto e lento, mas nem por isso de recuperação! Foram 4km no total, mas com uma primeira metade cunhada por notórias dificuldades em controlar a respiração. Sentia-me cansada, pesada e ofegante - que trio! Depois lá consegui encontrar o ritmo que me deixou respirar com alguma eficiência, o que me permitiu terminar o treino, com um pequeno resíduo de brio atlético!

 

Com a 5ª.F veio o treino “rápido” da semana (curto e rápido).

Sentia que tinha recuperado energia, mas não sabia como estavam os "tanques".

O objectivo era simples, 4km a um ritmo mais puxadinho, simples não é? Pois, mas nada feito! Aos 3km tive de travar a fundo, para não perturbar uma matilha de cães, ok...eram só 3, mas eram grandes, sem dono à vista e que podiam facilmente decidir vir no meu encalço! Quebrei o melhor de todos os ritmos alcançados e fui obrigada a caminhar calmamente, durante uns 40m, até dobrar uma curva e sair do raio de visão dos bichos! Bem que retomei a corrida, mas o meu corpo não estava a seguir as ordens de comando, ou incentivo, não estava a reagir. Parei aos 3,4km, feitos a 6:10/km (gaita, estava a voar!), acalmei a auto-censura e acabei por fazer mais 2km a 7:10min/km, porque estava fora de questão ir para casa  só com 3,4km no bolso!

O que seria um treino rápido e curto, acabou por se transformar num treino curto mas “misto”. Voei, travei a fundo, tentei embalar e acabei quase em modo jogging (para mim!).

 

No final de 5ª.F fui acometida por uma tensão um tanto ou quanto impeditiva, na região lombar - vulgo cruzes - que piorou no dia seguinte. O treino agravou uma pequena tensão que não considerei ser algo que pudesse evoluir para uma rigidez que me impedia de fazer coisas tão simples como chegar com a ponta dos dedos das mãos, aos dedos dos pés...ficava-me aí pelo joelho...mais coisa, menos coisa! Por entre "quente", alongamentos e resguardo nalgumas tarefas, lá acelerei o processo de recuperação e no final de sábado já tinha a certeza que podia fazer o treino no Domingo (hoje). 

 

E eis que chegou Domingo e o respectivo treino longo.

Costas recuperadas, energia acumulada, músculos descansados e pequeno almoço ligeiramente reforçado para o que desse e viesse. E veio...mas não o que estava à espera!

Não comecei o treino assumindo que ía chegar aos 10km, mas geri a corrida de forma a estar em condições de ultrapassar essa distância.  Por volta dos 8,5km sentia-me bem, com energia e pulmão para dar mais uma volta ao circuito, o que resultaria num percurso total de 11,8K. Um par de minutos depois de ter decidido dar essa volta extra, começo a sentir um pequeno incómodo na parte externa do joelho direito...O fantasma da ITB accionou tudo o que eram luzes vermelhas no meu painel de controlo! Parei aos 9k para me resguardar, mesmo sem saber se aquela sensação era mesmo um sinal da ITB. Para ter a certeza, teria de continuar a correr e isso seria forçar uma possível inflamação.  Been there, done that e o resultado foi péssimo!

Como ainda tinha energia, o final da sessão consistiu numa valente tareia aka reforço muscular e exercícios de flexibilidade! Caneco, até fiquei com um andar novo!

 

Quando à tensão no joelho...espero que tenha sido provocada por alguma fadiga muscular, mas por via das dúvidas...  abrandamento, reforço muscular e exercícios de flexibilidade para cima dela!

 

Agora é esperar para ver...

 

Boas corridas!

 

 

 

 

 

25
Jun17

Nem de encomenda!


Runner Wannabe

 Quando publiquei o último artigo, conotando um ritmo mais rápido, de “lebre”, não me passava pelo rol das probabilidades, que tão cedo voltasse a adelgaçar os números!

 

O treino - do dia seguinte -  que supostamente seria de 6k, foi de 5,2k, mas o ritmo médio.... encolheu desta vez 20''/km, relativamente ao anterior! Fiquei incrédula! Verifiquei várias vezes os valores e chegaram-me a doer os maxilares, do tempo que estive de boca aberta! Lá me recompus, bradei o sucedido a somente dois, dos sete ventos, e depois decidi não pensar muito sobre o assunto, até porque não consegui arranjar justificações suficientemente satisfatórias para o sucedido!

 

Dado que tinha feito dois treinos “rápidos” - durante a semana - planeei esticar a distância num treino "longo" de fim-de-semana. Mas antevendo que estivesse cansada, decidi descansar 2 dias, para carregar baterias e para dar tempo ao corpo de se “remendar” onde fosse preciso!

Como programado acrescentei mais 1km, ao máximo anterior - apesar da luta titânica para me manter a correr – e acabei por retirar 5''/km, ao ritmo do "longo" do fim-de-semana passado! Muito bom, mas... hoje foi difícil correr!  As pernas não estavam a corresponder, sentia pouca energia e tive que me distrair com o que podia (pormenores da paisagem, música, pensamentos parvos, pensamentos super-parvos e afins), de forma a não deixar instalar - por completo - a ideia que pode parasitar a nossa engenharia mental: possibilidade de parar! Depois de todas as distrações que inventei, usei o argumento: "se não estou lesionada, ou com dores, não paro!!!"  Acho que foi assim que me consegui aguentar...mas ainda o tive de repetir algumas vezes...

 

A falta de energia tem explicação e fico contente por nada ter a ver com os treinos durante a semana.

Eu bem que dei dois dias de descanso de corrida, mas aparentemente, tudo o resto não conta!

Na realidade, tive um sábado super ocupado com tarefas pesadotas, de onde destaco trabalhos de pintura. Passei um bom par de horas a subir e a descer um escadote, para pintar a sala. Claro que para pintar, há todo um trabalho prévio de mover armários, sofás, mesas, etc...e depois, o trabalho de voltar a “montar” o lego - e tudo isso pesa no lombo e pernas! Os restantes trabalhos domésticos e os trabalhos da horta, sorveram o resto da energia que em mim residia e cheguei à noite quase a arrastar-me! Ainda assim, decidi preparar um repasto...digamos que...substancial e deitar-me um pouco mais cedo que o habitual, na tentativa de descansar um pouco mais.

Quando acordei até achei que o treino ía correr bem....mas não, como já se viu. Tive de insistir o tempo todo, mas valeu a pena, dado que os resultados foram bastante positivos! Aliás, esta semana foi excelente em termos de evoluções!

Nem de encomenda!!! :)

 

Aguardo com expectativa os próximos treinos!

 

Boas corridas a tod@s!

 

21
Jun17

De tartaruga a "lebre"


Runner Wannabe

 Domingo, 18/06/2017

 Novo máximo alcançado desde a última lesão: 7,5km 

O ritmo foi lento, terminei em pleno controlo cardio e a pensar que tinha condição para mais alguns minutos, sem sinal de sofrimento! Fiquei a ver o quilómetro 8, mas decidi resguardar-me - apesar do ritmo tartaruguico (esta palavra não existe pois não?).

 

Terça-Feira, 20/06/2017

Treino de recuperação: 4,4 km a ritmo lento.

 

Tudo mentira!

Foram 4,4km a um ritmo francamente mais rápido, que todos os treinos anteriores! Mas esta rapidez é relativa ok? Sou corredora leeeenta. A surpresa foi ter retirado 21''/km ao ritmo da corrida de domingo, por outras palavras, de 7:11/km passei para 6:50/km! 

Na verdade o meu “painel de controlo” mostrava só luzes verdes (é que nem uma amarela!), por isso mantive o ritmo mais elevado, sendo que os últimos 400 m foram ainda mais rápidos! As pernas continuavam a reagir bem, o cardio a corresponder e acabei por fazer estes últimos metros - segurem-se por causa da deslocação do ar -  nuns supersónicos 5:18/km! Ui, parecia uma lebre!!!

 

Foi este o treino ligeiro de “recuperação” que fiz!

 

Ambos os treinos foram feitos sem o feedback da aplicação, facto que me está a deixar muito mais descontraída e atenta ao diálogo entre corpo e mente. Finalmente começo a descobrir as virtudes da música durante a corrida,que sem dúvida me ajuda a descontrair.

O único controlo que faço é mesmo o da quilometragem, os restantes dados só são analisados posteriormente à corrida.

 

Eis alguns indicadores:

 

- continuo a fazer oscilações muito significativas no ritmo, durante uma corrida;

- em zonas de ligeira subida, tendo a acelerar;

- o primeiro quilómetro é de longe o mais lento;

- o último km é feito acima da velocidade média, da respectiva corrida.

 

Próximo treino: 6km

 

Boas corridas!

 

 

 

13
Jun17

Não atirei o pau ao gato, o pintainho não morreu...e aqueci à bruta!


Runner Wannabe

Como  programado, o treino de hoje seria de menor carga e sem informações sobre o ritmo ou velocidade...basicamente...correr sem números! Hoje era para correr no relax, com musiquinha e passinho lento (bem que tentei no treino anterior, mas falhou a música...e depois uma perna!).

 

Acordei cedinho para desfrutar da fresquidão matinal - tão bom correr no fresquinho!

Mal saí do quarto, lá estava Reguila, o comilão, que se fez notar com o seu miar quase ininterrupto! Como vou explicar...estão a ver aqueles operadores de redes e telecomunicações, que telefonam consecutivamente a tentar quebrar uma pessoa por exaustão ou ataque de ansiedade? Assim é Reguila! É que não se cala! Dei-lhe a ração, mandei-o dar uma volta ao quintal e  preparei o meu pequeno almoço, nas calmas. Tinha-me levantado um pouco mais cedo que o costume nestes dias, e queria estar zen, calminha e relaxada.

 

O pequeno almoço foi light. Finalmente aprendi a dosear a quantidade de comida tolerada pelo organismo, minutos antes de um treino. Há quem corra em jejum, há quem só beba um iogurte, acho que não conseguiria correr 100m nessas condições ( a menos que fosse para entrar numa pastelaria!).

Preciso de hidratos de carbono como de ar para respirar. Pão, aveia, panquecas e papas de farinha Pensal (com um pouco de farinha de linhaça), são geralmente as opções. Hoje foi pão, com manteiga e mel (e café, claro!).

Chamo de light a um pequeno almoço, quando como metade do que comeria, numa situação de não-treino. Excusado será dizer que em dias de treino tomo dois pequenos almoços (duas metades!)

 

IMG_9937.JPG

 Rufino (o grande), a tentar mostrar quem é o boss

(mas quem manda é o Reguila - o pequeno).

 

 

Voltando a esta manhã...

 

Últimas confirmações antes de sair:

Água  - check

Telemóvel  - check

Boné - check

Música - check 

Chaves - check

 

Mentalizava-me acerca do que ía acontecer nos próximos 45 minutos:

 

 

"Calma, vamos com calma. Aquecer bem, alongar ainda melhor,

depois ritmo baixo, mas certinho". 

 

Começo a ouvir o que parecia o piar aflito de uma ave. Vivo no meio do campo, conheço o piar de algumas aves, mas o piar de uma ave em stress é inconfundível, seja qual for a espécie!  

Salto tipo ponta-e-mola o degrau da porta, começo a gritar por Rufino e a correr em direcção ao som. Pela 2.ª vez numa semana, Rufino tinho um pintainho "entalado" na boca - e não era para lhe fazer festinhas!

(O meu vizinho tem uma capoeira e uma das galinhas teve filhotes. Rufino arranja maneira de entrar na capoeira e já de lá sacou dois pintainhos.)

 

O que se seguiram foram mini-sprints atrás do caçador de serviço, na tentativa de encurralá-lo algures e "roubar-lhe" a presa! Os músculos parece que se lembraram dos treinos de andebol, o pára-arranca e as mudanças de direcção da marcação individual, deram um jeito danado!

 Obrigado anos de treinos de andebol, salvaram até à data, 2 pintos!,

 

2017-06-06 10.15.47.jpg

 Pinto 1

 

No meio da correria -  e já na zona da horta - apanho  um pequeno tronco de madeira (que uso para marcar canteiros),  que se revelou providencial, ao evitar que Rufino saltasse um muro e desaparecesse num quintal vizinho, com o tufo de penas amarelas na boca! Não atirei o pau ao gato mas sim em direcção do muro, para lhe cortar caminho, e resultou! Após mais umas correrias, finalmente consegui encurralá-lo e depois de muitas palavras de ordem (ordens a gatos....dream on!) e muito esbracejar, lá largou o pequeno pinto, ileso, que mal se viu livre... "pernas para que vos quero!"  Agora era eu que tinha de apanhar o pintainho e evitar que Rufino o voltasse a capturar. Vá de mais umas correrias...agora atrás de um pinto, que me fintou várias vezes em slaloms por entre vasos de flores! Depois de algumas tentativas, consegui apanhar o pequenote! Uffff! 

 

2017-06-13 07.10.05.jpg

Pinto 2 ...ou talvez o mesmo! Se assim for, olha o azar!

 

Como tinha improvisado uma mini-capoeira para o pintainho da semana passada, já sabia o que fazer desta vez. Meti  a bolinha de penas a salvo, respirei fundo, bebi água e fui fazer os alongamentos, porque o aquecimento já tinha sido feito, à bruta!!!

 

 A corrida foi a descomprimir da azáfama matinal! Foram 4 quilómetros tão calminhos que deu para respirar fundo! :) - Tão bom!  O músculo manhoso não deu sinal na altura, mas durante a tarde senti o pé um pouco tenso, nada de especial.

 

Vou-me resguardar por mais 1 ou 2 treinos e ver como a perna reage. Nos entretantos espero que o Rufino não me proporcione aquecimentos destes novamente, porque desta vez atiro-lhe mesmo com o pau!

 

Boas corridas!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D