Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Runner Wannabe

Coisas da corrida de uma pretendente a corredora amadora.

Runner Wannabe

Coisas da corrida de uma pretendente a corredora amadora.

30
Dez16

Mini-Micro-Nano-S.Silvestre!


Runner Wannabe

 

Publicações de final de ano pedem balanços, resumos, sumários, apanhados. Pois bem o meu é simples. Comecei a correr, lesionei-me, parei de correr para recuperar da lesão, entretanto adoeci e durante 13 dias não pude trabalhar na recuperação da lesão. Agora quase restabelecida, preparo-me para encetar a missão de resgate da minha forma -  feita refém por duas maleitas - e tratar de fortalecer um conjunto de estruturas que previnam a minha ITBS rebelde, de voltar a visitar-me... assiduamente!

 

Continuo a ser uma runner wannabe! Não esmoreci e não houve dia em que não pensasse em correr - e até acho que lhe estou com mais ganas do que antes (mas também com algumas lições aprendidas). A motivação esteve sempre em alta, ao ponto de após ter tido conhecimento do diagnóstico e tratamento a única pergunta que dirigi ao médico foi: quando posso começar a fazer exercício físico vigoroso? Sim, foi assim que verbalizei “quando posso começar a correr”! Estava ansiosa ok? O médico olhou-me com ar surpreso...imagino que por milisegundos tenha tentado decifrar o código: exercício-físico-vigoroso!

 

Fiz planos de treino e possivelmente não vou seguir nenhum, fiz mapas mentais de percursos novos e não só os vou correr como descobrirei outros. No meu calendário já estão marcadas duas provas (daqui a 3 e 4 meses, respectivamente) e vai na volta até farei outras provas que não estas, não importa! Importa correr, sem dor, com muito prazer e desafio de mim para mim. Sonhei que corria durante o sono mas também enquanto acordada. Foi desta forma que fui metendo lenha nesta fogueira que me aquece mas onde já me queimei.

 

Por falar em fogueira. Um amigo desejou-me um Bom 2017, dizendo que iria ficar em casa em frente à lareira (está relacionado). Respondi-lhe que também iria passar o reveillon à lareira, mas agora já livre de dores, e que isso era tudo o que queria. Mas amanhã dia 31, depois de sair da frente da lareira e antes de ir dormir, farei o que já não faço há algum tempo. Prepararei o equipamento de véspera para algures durante as primeiras horas de Sol de 2017, num acto que terá tanto de simbólico como de necessário, fazer uma Mini-Micro-Nano-S.Silvestre. Ok,admito...o equipamento já está quase todo preparado, não vou é dizer desde quando! :D

 

Desejo-vos um 2017 de excelência a todos os níveis, com muitas corridas, muitas metas cortadas, RP batidos e medalhas ao peito - na corrida e na vida, claro.

 

 

 

23
Dez16

Tripinha bipolar, sapatinho novo e boas festas!


Runner Wannabe

 

Deixei de me preocupar com a ITB e a razão foi – está a ser – a seguinte: sintomas de inflamação do apêndice. É verdade, a minha tripinha resolveu rebelar-se e está-se a queixar há alguns dias num carpir, que não sendo de me atirar ao tapete ou fazer subir paredes, dá sinal do seu humor bipolar. Já me encontro melhor, mas nada que me faça hipotetizar adiantar trabalho para a ITB. Nada como sintomas de apêndice mal humorado para reordenar o Top 2 no Departamento das Maleitas!

 

Para alegrar a época natalícia (a sério), foi colocado no meu sapatinho, um par de outros sapatinhos mais adequados à corrida – trail para ser mais específica. De modo meio tímido vou mirando os ditos chanatos, num ritual infantil mas muito genuíno, que vai insuflando ainda mais a vontade de subir e descer coisas, a correr e a andar. A surpresa foi para lá de agradável e veio de pessoa insuspeita, o que torna tudo ainda mais especial! Como é óbvio, já as coloquei nos pés, mas só depois de alguns quilómetros valentes com elas é que vou poder dizer como está a correr a adaptação - nessa altura falarei do modelo em questão, coisa que não tem data marcada para acontecer, mas que algo me diz que já não vai ser em 2016 :(.

 

Desejo-vos um Feliz Natal, cheio de saúde, paz, amor e óbviamente boas corridas!

 

 

 

 

19
Dez16

Informações MUITO úteis - Síndrome de Banda Iliotibial.


Runner Wannabe

 Durante muitas semanas seguidas procurei qual o “tratamento” mais adequado para o meu Síndrome de Banda Iliotibial (ITBS – sigla em inglês). Posso adiantar que após a identificação da maleita, seguiu-se a procura de tratamento e estratégias que resolvessem a situação...perdida no meio de tanta informação, fui experimentando exercícios - algumas dezenas. Claro que se foram tantos, alguns deviam ser os adequados! Razão pela qual fui empurrando a zona de tensão e dor (característica da ITBS), para quilometragens cada vez maiores...até ao dia em que estraguei a pintura toda com um exagero que coincidiu com um periodo de redução dos exercícios que fazia, até então. Mas esta publicação não vai servir para choramingar, pelo contrário, o seu propósito é publicitar o artigo O que é o Síndrome da Banda Iliotibial e 10 Exercícios para o tratar,disponibilizado ontem pelo Corre Salta e Lança. Este artigo, usando linguagem bem simples explica o essencial da referida síndrome, desmistifica algumas das estratégias mais intuitivas para o tratamento desta lesão (na óptica do corredor menos experiente) e fornece uma bateria de exercícos, descritos e ilustrados (muito importante).

Espero que venha a ser útil a alguém desse lado e a quem não for necessário, que passe a palavra.

 

PS – A minha ITB? Alongo, exercito, bicicleta e nada de corridas por agora.

 

sidrome-da-banda-iliotibial.jpg

                           O que é o Síndrome da Banda Iliotibial e 10 Exercícios para o tratar.

                                                 por Corre Salta e Lança. (foto do referido artigo)

 

 

16
Dez16

Afinal estou em treinos...de paciência!


Runner Wannabe

Mal eu sabia que ao forçar-me a atingir os 10km, encetava na realidade um outra prova - uma prova à paciência, com meta em local indeterminado e sem limite de tempo! Isto é uma chatice, isto é um aborrecimento de todo o tamanho...alongo aqui, alongo acolá, reforço isto e aquilo e pedalo ….se continuar assim, vou parar ao Cirque du Soleil num qualquer número...eles torcem-se em todos!!! (fato com cores alegres, já tenho!)

 

                                                                                    Tipo isto!

Bem, em abono da verdade os últimos dois dias têm sido de frio, chuva e vento...correr nas lezírias nestas condições é ser literal com “E tudo o vento levou”, com uma pessoa a arriscar-se a ir parar em cima de um eucalipto ou pinheiro. Mas como estou na oficina a tratar de uma suspensão, é com um piquinho a azedo que me livro a essas aventuras!

 

Com piquinho ou sem piquinho, será que uma lesão física acaba por ser um treino à componente psicológica?

Se assim for....estou em treinos!!! Soa bem melhor do que dizer que estou lesionada! É isso mesmo, estou em treinos!!!

 

 

13
Dez16

Evolução da minha ITB: bola!


Runner Wannabe

As expectativas eram positivas e pelo que percebi, deviam ser proporcionais ao ânimo com que acordei! Lá fora, nevoeiro e frio com fartura. Se isso desmanchou o ânimo? Nem 1milímetro, aliás fui procurar o gorro para não ficar com o cabelo molhado e para impedir que as orelhas gelassem.

 

Pedalei até ao local de treino escolhido, antecipando que devia estar submerso num espesso nevoeiro. Et voilá, nem mais! É que nem me atrevi a entrar naquelas brumas, em 20 ou 30 metros ficaria invisível...e neste caso em específico, não é seguro...ainda me aparecia o D. Sebastião no seu cavalo a alta velocidade e me passava por cima – apesar das minha indumentária sempre tão cheia de cor...mas sem luzes de nevoeiro! Voltei para trás, sob pretexto de beber um cafézinho quente, mas na realidade estava à espera que o nevoeiro levantasse um pouco. Esperei 20 minutos e...o nevoeiro fazia finca pé, finca mão, todo ele um teimoso....e claro, desisti de esperar. Dirigi-me ao local de treino n.º 2, aqueci, rezei aos santinhos e inicio a corrida na rodinha de hamster – circuito que nem sequer é circular mas que é pequeno e tenho de o repetir algumas vezes. As pernas pediam velocidade e não fosse a aplicação a dizer-me a velocidade média, teria-me deixado ir. Trata-se de um teste a que chamo de avaliação. Mantive os misericordiosos 7,5km/hora, por todos os motivos e mais alguns, mas o único que importava, era não esforçar demasiado o joelho e dar-lhe margem de manobra para aguentar o máximo que pudesse. Encurtando o relato para não dar tempo de ser assolada pela pieguice (tamanho XXL), tive de parar aos 3km, tal como na avaliação anterior, 5 dias antes.

 

Estou a engolir o sapo e não me restam muitas mais alternativas senão, prolongar o tempo entre avaliações (para o dobro – 10 dias), diminuir as cargas que faço, mesmo que não impliquem impacto, manter os alongamentos, esperar na incerteza se está a resultar  e gerir o melhor possível a psiqué.

 

Se alguém tiver algum contributo ou sugestão, partilhe!

 

08
Dez16

Hoje senti-me especial duas vezes!


Runner Wannabe

Estou lesionada e isto vai demorar o seu tempo...

 

O meu objectivo até recentemente era simplesmente dilatar a distância que conseguia correr (oh eu a falar no pretérito). Velocidade e skills de trepadora, entre outras, seriam coisas para depois. O objectivo agora é recuperar da lesão, da minha ITBS. Em resumo e para quem não sabe da história: deixei de fazer alongamentos com a frequência com que costumava fazer e insisti em correr com uma dor no joelho - daquelas tipo cavilha espetada até ao osso - para atingir uma distância que nunca tinha feito. Da fase de euforia, passei a f...-se, estou lixada e agora estou numa de Maria-Madalena-arrependida-resignada-à-condição-de-lesionada-mas-de-mangas-arregaçadas-rumo-à-recuperação (como se pudesse fazer outra coisa!).

 

 A última vez que experimentei correr foi há 6 dias, treino esse que serviu para monotorizar a lesão, mas cedo tive de parar pois aos 2,5km comecei a sentir um sintoma (tensão) que precede a dor (dor esta que costuma aparecer entre 500 a 1000 m após a referida tensão). Desde então concentrei-me em fazer alongamentos (2x por dia) e um pouco de bicicleta, tendo sido suspensa toda e qualquer corrida. Mas hoje tentei perceber se tinha havido alguma evolução na condição. Houve evolução sim, senti a tensão aos 3km, que me fez parar de imediato e assim estimo que o ponto de dor esteja algures entre 3,5km e 4km. Por outras palavras, estendi a distância corrida sem tensão ou dor em mais 500m. Por este andar – sim, porque isto quase que não se qualifica de corrida – lá para o Carnaval devo estar a chegar aos 10Km! Consegui em 1000m derreter o trabalho de 2 meses, que me vai levar outros tantos (tempo estimado) a recuperar! Sinto-me "especial"!

 

                                      Uma imagem de gatinhos para mudar o andamento desta publicação.

 

E sinto-me especial também por uma outra razão completamente diferente, que se cruzou com o test drive de hoje. Como já tive oportunidade de dizer  noutra publicação,  tenho um amigo (de 12 anos), que têm uma enorme crença nas minhas capacidades atléticas (desfasada). Perguntei-lhe ontem em jeito de brincadeira, se queria vir comigo fazer o test drive ao joelho - avisando-o que iria cedo. Pensando que hoje tinha aulas, A. disse que não se iria conseguir levantar às 6:00 - pensando que eu me referia a estas horas proibitivamente madrugadoras. Minutos depois caiu-lhe a ficha e percebeu que não tinha aulas e que afinal podia acompanhar-me - tendo ficado visivelmente mais aliviado quando lhe disse que planeava começar pelas 8:00 e não às 6:00. O meu amigo levantou-se às 7:30, vestiu-se, tomou o pequeno almoço e estava à minha porta às 8:10 com uma garrafa de 1,5L meia de água (hidratação é importante)! Foi ele que me distraíu do medo constante que me acompanhou desde a primeira passada, foi ele que me perguntou várias vezes como estava o joelho quando percebia que eu abrandava (ainda mais) e foi ele que em jeito de conforto me disse quando tive de parar, "deixa estar, da próxima vez corremos mais".

Em forma de agradecimento, ensinei-lhe algo para a vida: alongamentos, a importância de banho quente logo a seguir a um treino com temperaturas baixas... e como cuspir enquanto se corre! 

 

Concordo com A....da próxima vez correremos mais um pouquinho!

 

 

 

 

05
Dez16

Alongar, pedalar, alongar e um pedido no final.


Runner Wannabe

Desde que fiz aquela insanidade  (principalmente a parte de continuar a correr), experimentei correr por duas vezes – ambas na semana passada – e os resultados foram medíocres/alarmantes! Descalcei as sapatilhas com que corro e vesti o fato-de-corredora-amadora-lesionada-em-recuperação, e para fazer o pandã, também exibo aquele ar enjoado e triste do menino da lágrima, mas sem a lágrima.

E depois acontecem coisas destas:

 

- Então sentes-te melhor? - perguntaram.

- Sim sinto-me bem, tenho feito alongamentos, bicicleta e mais alongamentos, mas só terei certeza se estou melhor quando voltar a correr – respondi.

- Eu referia-me à garganta...

- Estou melhor, obrigada.

 

(Insensíveis!!! Não sabeis que 99% do volume do meu Departamento das Maleitas, é ocupado pelo joelho!)

 

                                          O menino passou de chorão a zangado...e também mudou de corte de cabelo...

                                                                        não necessariamente para melhor.

 

Pensava que a dor de garganta era o prelúdio de algo mais limitador, mas afinal foi coisa de 48h – não me estou a queixar, ok?! E por me sentir melhor, fui hoje dar uma voltinha de bicicleta para meter o coração e o pulmanito a bombar. A aplicação disse que pedalei 9,57km em 28:30, com uma velocidade média de 20,2km/h....Pensei então, se partisse ao mesmo tempo que uma daquelas gazelas da maratona masculina, cortaria os 42 195m cerca de 6 minutos depois do primeiro atleta (mais coisa menos coisa!). Bem, o que interessa é que deu para aquecer e fazer uma sessão de alongamentos bem quentinha, como eu gosto!

 

tartaruga-da-bicicleta-8282067.jpg

Assim...só em descida!

 

Não sei se estou a fazer bem ou se estou a fazer menos bem, sei que a tentação de experimentar correr, ainda é menor  que a percentagem de medo de ter muito tempo de recuperação pela frente. Acrescentei à rotina mais 3 exercícios e vou fazendo outros de reforço muscular. Sinto-me bem, mas também me parece que esta chatice, não é daquelas que curam totalmente, mas sim daquelas que precisam de trabalho contínuo para que não reincidam. Palavras de ordem: alongar, pedalar, alongar.

 

 

Por último, mas não menos importante. Tenho de comprar calçado decente, sim...finalmente! Não acho que a minha lesão tenha a ver com o calçado, mas:

 

1) já percebi que a vontade de correr não esmoreceu, pelo contrário, esmoreço se não corro;

2) quero evitar lesões que podem ter o dedinho de calçado impróprio;

3) Quero entrar numa corrida organizada em breve (1 mês – se recuperar a tempo - uma pessoa precisa de se motivar, ok?) e ter tempo para “macerar” o calçado.

 

Posto isto, peço aos corredores mais experientes que eu (não é difícil), que façam uma recomendação acerca de calçado de trail e/ou de estrada que acham mais adequado. Desde já o meu agradecimento!

 

Boas corridas! (como vos invejo!)

 

 

 

 

 

 

 

 

03
Dez16

Por entre dilúvios, dores e números.


Runner Wannabe

 

Dilúvios! Sim, pelo menos dois!

Hoje consegui passar, não por entre os pingos da chuva, mas por entre dois dilúvios! O primeiro durou a manhã toda,o segundo durou a tarde toda. Não sei como, acertei em cheio nos únicos 25 minutos em que não choveu e fui dar um giro de bicicleta (6,4km)! Um par de minutos após ter chegado...parecia que tinha rebentado a canalização toda lá em cima!

A minha colega de treino domingueiro, mandou mensagem a dizer que amanhã o piso vai estar "fofinho"! Eu explico o que é fofinho...é haver sítios em que se a sapatilha não estiver bem ajustada, sai o pé e fica a sapatilha!

 

Mas...amanhã não vai haver treino domingueiro para mim. Uma dorzinha de garganta que se fez anunciar hoje, vai-me parar por uns dias. Tomei vitaminas para esta maleita (que ainda não sei se não será gripe) e tomei as vitaminas (alongamentos) para o  Sr. Joelho, que de pronto enviou os agradecimentos à D. Dor de Garganta, por ter provocado uma paragem certa!

 

Venho também por este meio assinalar, que faz hoje um mês que encetei este espacinho. Na altura a coisa feita de impulso, mas com o tempo as razões nadaram até às margens do consciente e percebi que tinha a ver sobretudo com a necessidade de exteriorizar um conjunto de aprendizagens, dúvidas, expectativas e parvoíces relacionadas com a corrida, a minha corrida. Para grande surpresa, percebi que existem pessoas que lêem o que escrevo – confesso que escrita não é a minha praia, mas talvez vá melhorando com os “treinos”. Obrigada amigos, conhecidos, futuros conhecidos, futuros amigos e anónimos!

 

Aproveito ainda para deixar também os números (modestos), de uma corredora amadora que tem tido os seus contratempos, mas que vai recuperar da chatice e vai correr ainda muitos, muitos quilómetros, muiiitos quilómetros!

 

Outubro - 49,9 km (11 sessões)

Novembro – 58,8km (11 sessões)

Tempo aos 10km: 1:10:11

 

 

 

 

 

 

02
Dez16

Devia pensar que eram favas contadas!


Runner Wannabe

 Eram 7:30 quando saí de casa. O termómetro marcava 11ºC e sim...é claro que ía encasacada, nomeadamente t-shirt de manga curta, t-shirt de manga comprida, corta vento e ainda....um casaquinho polar quentinho e fofinho. Pedalei devagarinho até ao local de treino escolhido e demorei 10 segundos a perceber que luvas darão muito jeito em treinos futuros!

 

Uma neblina pairava sobre os caminhos. Era como olhar para uma foto que não precisava de nitidez para se mostrar bela. Mais adiante  sobre o lago, pairava um nevoeiro cerrado que mais parecia uma nuvem, que tendo perdido o seu norte, tinha decidido baixar e descansar sobre as águas tranquilas. Ter um local de treino que proporciona visões destas, é um privilégio!

 

Aqueci com os exercícios, cuidados e esperanças do costume. Quando treino sozinha estou muito focada durante esta fase, estou a monitorizar todas as sensações, a procurar desconfortos e confortos, a contar o exercícios e a rezar aos santinhos todos para que corra tudo bem!

 

Por obra do acaso, hoje, a minha indumentária faria doer os olhos a qualquer ser vivo, tal era a mistura de cores – uma agressividade, até mesmo para mim, cuja prioridade é esteja limpa e não a combinação de cores e tons e coordenação com acessórios! Em tons arco-iridianos iniciei a corrida num ritmo tão lento, que qualquer pessoa em marcha nórdica facilmente (muito facilmente) me ultrapassaria. Mas isso não me preocupava, o que importava era o joelho.

 

No treino anterior fiz 1,5km antes de parar por precaução, dado ter sentido o joelho a começar a queixar-se. Hoje tinham sido calcorreados 2,5km quando ele começou na mesma ladaínha. Parei, regressei a casa e fui fazer o que deveria ter continuado a fazer com a mesma frequência de outrora: exercícios específicos para o síndrome de banda iliotibial (SBI). Nunca os deixei de fazer, mas abrandei na frequência com que os fazia. Até ter atingido o 8º quilómetro sem dor, fiz os exercícios  3 a 4 vezes por semana. Lembro-me de pensar que poderia abrandar porque iria fazer os treinos seguintes entre os 6 e 7km, longe da zona de risco...e nisto passaram-se cerca de 2 semanas - devia estar a pensar que a partir dos 8km, eram favas contadas! Por falta de treino específico, enfraqueci a região afectada e por uma questão de Ego, forcei o joelho! Resultado: Cabuuummmm!!!!

 

Em conversa, dizia que não me posso dar ao luxo de correr até não conseguir respirar mais,  ou de puxar tanto por mim que tenho de parar para vomitar. Ainda não tive a oportunidade de “corre praí até te saltar o coração pela boca!”.Ok, admito que isso aconteceu nas primeiras duas semanas de treinos, mas é agora que tenho alguma preparação cardio e energia em reserva, para destes pontos de vista aguentar com um "puxão"! Mas falta-me joelho!!!

 

 

Será que é desta que eu sigo os meus próprios conselhos e passo a ter juízo?

 

Para já os  treinos foram reduzidos a uma carga residual de corrida e complementado com  treino de bicicleta (3 vezes por semana). Os exercícios específicos (sessões de 30 minutos), serão feitos 4 vezes por semana, coincidindo com os treinos de corrida/bicicleta. Espero que esta "receita" resulte, espero mesmo!

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D