Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Runner Wannabe

Coisas da corrida de uma pretendente a corredora amadora.

Runner Wannabe

Coisas da corrida de uma pretendente a corredora amadora.

02
Jun17

A recuperar bem!


Runner Wannabe

E as evoluções continuam!

A recuperação está a correr muito bem e a subida de forma está a acontecer a um bom ritmo!

 

Corro cada vez mais descontraída, o que não quer dizer que não tenha as preocupações normais, de quem esteve no estaleiro por algum tempo. As cargas têm sido progressivas, ligeiras e sempre acompanhadas (a montante e a jusante), por alongamentos e alguns exercícios específicos. Mantenho as duas sessões de massagem diárias, mas reduzi o tempo de cada sessão para 10 minutos. Honestamente, acho que uma só sessão seria suficiente, mas pelo sim pelo não -  e por mais alguns dias -  continuarei com a segunda.

 

A prioridade continua a ser a recuperação total da lesão, razão pela qual não tenho "apertado" muito. Nisto, o medo de me voltar a lesionar tem sido suficientemente regulador!

 

Não corro para atingir um determinado ritmo, ou uma distância específica, corro para adicionar minutos às pernas e ao pulmão, tendo sempre bem presente que a lesão ainda não está totalmente debelada. Corro o que ela me deixa correr, sem ir ao limite dessa condição! O ritmo, é aquele em que me sinto confortável. Hoje um pouco mais rápido, amanhã mais lento ou vice-versa...mas o tempo de corrida  tem vindo a aumentar em cerca de 3 a 4 minutos por sessão. Isso quer dizer...que se amanhã tudo correr bem, a corrida  ultrapassará da meia hora em cerca de 3 minutos :) - e a última vez que isso aconteceu foi em finais de Novembro! - Em termos de distância não sei qual será a tradução, depende do ritmo a que me sentir confortável, mas julgo que algures entre 4,6K - 4,7K.

Parece surreal estar a escrever estes números! Se assim se cumprir, ficarei a alguns metros dos 5K!

 

Eu...quase nos 5k? Mas isto está mesmo a acontecer??? Really?

 

 

O que achas disto, Loki?

 

Também acho!

 

Boas corridas!

 

Actualização:

(3 Junho de 2017 - 10:40)

Confirma-se, os 5K estão mesmo já ali! :)

29
Mar17

Dói-Dói Bag


Runner Wannabe

Isto de estar sempre lesionada (só para o caso de alguém ainda não ter percebido este meu fado!), levou-me a pesquisar várias coisas: a) como é que esta máquina (corpo) está montada e funciona - principalmente ao nível do sistema muscular; b) exercícios para recuperar lesões e c) exercícios para prevenir lesões. Como estou sempre a recuperar de uma lesão e portanto a recorrer a um conjunto de itens, por uma questão prática, passei a juntá-los (quase todos)  num saco, a que chamo carinhosamente (sarcasticamente) de Dói-Dói Bag, ou  simplesmente, Bag.

 

2017-03-29 14.15.31.jpg

Aqui está o conteúdo do Dói-Dói Bag. Sim, é um rolo da massa!

 

Bola – para a fascia plantar não começar com ideias (ou ites)!

Rubber Band – super útil para adicionar resistência na execução de movimentos controlados (específicos).

Corda de “saltar-à-corda” - ajuda na execução de alguns alongamentos.

Ligadura Elástica – ajuda na estabilização de alguma articulação mais necessitada (sim tornozelo esquerdo, tem sido a tua segunda pele!).

Adesivo – não perguntem, ando sempre com adesivo!

Pomada analgésica – o conceito fala por si!

Saco de Gel: para fazer frio ou quente (fui tirá-lo ao congelador – este item não está fisicamente no saco....mas tem lá um lugar VIP sempre reservado, no Bag!)

Rolo da massa(gem): sim, aquela “alfaia” usada na cozinha! Este rolo já não tem utilidade na cozinha, obviamente,  serve agora de assistente às massagens da Banda Iliotibial – recomendação de um mestre em recuperação física. (PS: dói para caraças!)

 

Ainda tenho de adicionar uma embalagem de creme hidratante,  muito útil para diminuir o atrito durante as massagens.  Noutros tempos, possivelmente ainda lá meteria um canivete suiço, um rolo de fita adesiva (daquela larga, plástica e castanha) e um pacote de pastilhas elástica, tudo a la MacGyver, mestre do desenrasca...mas com a idade fiquei marginalmente mais pragmática!

 

Todos os dias uso um ou vários itens Dói-Dói Bag . Hoje por exemplo usei a bola, a ligadura elástica (estabilização) e a rubber band para alguns exercícios...ah, e o tornozelo teve direito a massagens (com as mãos, ão com o rolo!) por isso também usei o hidratante que ainda não reside oficialmente no Bag. E tudo isto, antes do “programa” de exercícios que estou a fazer! Trata-se de um combinado entre bicicleta, caminhada e uma rotina de reforço muscular (reforço muscular...quer dizer...estou mais a fazer a manutenção do tonus... do que a reforçar o que quer que seja!) - ainda assim, linda menina!

 

Hoje (e ontem também),  fiz 5km de bicicleta, 4km de caminhada (lenta, até para os meus padrões) e uma rotina de reforço muscular, tudo pain free!!! Progressivamente vou adicionar distância, espero não exagerar (e eu que nem sou "nada" dada a exageros!).

 

2017-03-29 09.46.10.jpg

 Cavalinhos nunca são demais!

 

Por uma questão de precaução, levo comigo bastões de caminhada, para no caso de sentir dor, ter como aliviar a carga no pé... até estar a salvo!

 

2017-03-28 16.22.33.jpg

 Não, não se trata de uma catana! São os bastões de caminhada, que geralmente levo numa mochila.

 

Pronto, está apresentado o meu Dói-Dói Bag, talvez haja quem use gavetas, prateleiras, eu uso um saco!  É portátil e onde está um dos itens...estão (quase) todos os outros!

 

E agora toca de arrumar tudo!

 

2017-03-28 17.18.36.jpg

 Tudo para dentro do Bag!

 

Bons treinos e boas corridas, pessoas-não-lesionadas!

Boas recuperações, futuras pessoas-não-lesionadas!

 

 

 

14
Fev17

De regresso aos treinos....mas aos poucochinhos!


Runner Wannabe

Cerca de 2 semanas após a ITB me ter afastado dos treinos (ler aqui e aqui), mais afastada fiquei, quando me vi a braços com um conjunto de dores e desconfortos na região abdominal e lombar. Depois de três médicos, um diagnóstico errado (e respectivo tratamento), muitos exames e análises a mostrar que tudo estava bem, as dores permaneciam. A hipótese de se tratar de uma questão muscular, esteve sempre presente, mas nunca foi a prioridade de quem me observou. Decidi dirigir-me a quem trabalha com atletas (profissionais a amadores), com o objectivo de ver confirmada -  ou desmentida -  a hipótese de se tratar de problema a nível muscular. A primeira recomendação que me fez foi, fazer alongamentos, a segunda foi.... correr - mas já lá vamos.

Para quem tinha diminuido drasticamente a solicitação da musculatura do core, para evitar as dores e os desconfortos -  ao longo de muitas semanas - fazer alongamentos pareceu-me...actividade no mínimo... ameaçadora do meu bem estar! Experimentei. Senti-me num filme em câmara lenta, dado o receio em magoar estruturas que sentia estarem fragilizadas, enfraquecidas. Confesso que as expectativas de que resultasse eram baixinhas, mas felizmente estava enganada! Comecei a sentir alívio dos sintomas logo no dia seguinte.

Alongamentos e alguns exercícios de core fazem agora parte da minha rotina diária (2x dia) -  de há  2 semanas a esta parte -  e os resultados começaram a aparecer. Uma semana após dar início aos alongamentos, fui recebida, por um mago das massagens, um milagreiro das recuperações, que me confirmou que pelo menos parte dos sintomas eram efectivamente de natureza muscular. A minha ITB, não passou despercebida e também fiquei a saber que o síndrome da ITB da perna esquerda estava em risco de se fazer sentir - bonito, uma não bastava! A sessão demorou 30 minutos e percebi na plenitude, uma sms que recebi de um amigo, um dia antes, dizendo: "boa sorte e grite à vontade". Houve muito suor, dor e as vocalizações sinalizando os dói-dóis, foram controladas por um buff que levei para segurar o cabelo - que coloquei na boca e mordi as vezes necessárias (muitas).

Resumidamente, levei uma tareia de todo tamanho, que só não me roubou energia para me questionar, como tinha aguentado! Mas aguentei, e regressarei! Foi-me recomendado que continuasse a fazer os alongamentos e que fosse correr no dia seguinte. Por esta é que não esperava, ainda para mais com o corpinho a ecoar dor a cada poro! Ok, estou a exagerar, o corpo só ficou magoado do pescoço para baixo -  e a ideia de correr no dia seguinte, parecia surreal, uma alucinação. E sim, foram muitas as dores que senti no dia seguinte ao acordar, ao levantar e durante os primeiros 2 ou 3 minutos! E depois... não sei para onde foram os  ais, uis, os dasss e as coxeadelas. Vesti o equipamento e lá fui eu...correr, 5 semanas após a última vez! ! Após aquecimento e alongamentos corri o que a ITB me deixou: 1km - sim, esperava ter podido correr um pouquinho mais, mas o meu foco estava sobretudo nas dores lombares e abdominais, que não se assanharam (yeyyy!!!) - a ITB já é uma velha conhecida, não me surpreendeu ter-se feito anunciar.

Passaram-se 5 dias desde que corri pela primeira vez e ontem foram registados 1,7km -  desta vez sem sintomas no joelho, abdómen ou região lombar. Parei por precaução. Parei porque achei a "fruta muita"!

As dores na região lombar e abdominal  ainda se fazem sentir, mas cada vez são menos intensas e aparecem com menor regularidade. Suponho que vá ser uma recuperação lenta - mas não me importo, desde que recupere!

Estou a recuperar aos poucos, estou de regresso aos treinos!

 

 

 

 

30
Dez16

Mini-Micro-Nano-S.Silvestre!


Runner Wannabe

 

Publicações de final de ano pedem balanços, resumos, sumários, apanhados. Pois bem o meu é simples. Comecei a correr, lesionei-me, parei de correr para recuperar da lesão, entretanto adoeci e durante 13 dias não pude trabalhar na recuperação da lesão. Agora quase restabelecida, preparo-me para encetar a missão de resgate da minha forma -  feita refém por duas maleitas - e tratar de fortalecer um conjunto de estruturas que previnam a minha ITBS rebelde, de voltar a visitar-me... assiduamente!

 

Continuo a ser uma runner wannabe! Não esmoreci e não houve dia em que não pensasse em correr - e até acho que lhe estou com mais ganas do que antes (mas também com algumas lições aprendidas). A motivação esteve sempre em alta, ao ponto de após ter tido conhecimento do diagnóstico e tratamento a única pergunta que dirigi ao médico foi: quando posso começar a fazer exercício físico vigoroso? Sim, foi assim que verbalizei “quando posso começar a correr”! Estava ansiosa ok? O médico olhou-me com ar surpreso...imagino que por milisegundos tenha tentado decifrar o código: exercício-físico-vigoroso!

 

Fiz planos de treino e possivelmente não vou seguir nenhum, fiz mapas mentais de percursos novos e não só os vou correr como descobrirei outros. No meu calendário já estão marcadas duas provas (daqui a 3 e 4 meses, respectivamente) e vai na volta até farei outras provas que não estas, não importa! Importa correr, sem dor, com muito prazer e desafio de mim para mim. Sonhei que corria durante o sono mas também enquanto acordada. Foi desta forma que fui metendo lenha nesta fogueira que me aquece mas onde já me queimei.

 

Por falar em fogueira. Um amigo desejou-me um Bom 2017, dizendo que iria ficar em casa em frente à lareira (está relacionado). Respondi-lhe que também iria passar o reveillon à lareira, mas agora já livre de dores, e que isso era tudo o que queria. Mas amanhã dia 31, depois de sair da frente da lareira e antes de ir dormir, farei o que já não faço há algum tempo. Prepararei o equipamento de véspera para algures durante as primeiras horas de Sol de 2017, num acto que terá tanto de simbólico como de necessário, fazer uma Mini-Micro-Nano-S.Silvestre. Ok,admito...o equipamento já está quase todo preparado, não vou é dizer desde quando! :D

 

Desejo-vos um 2017 de excelência a todos os níveis, com muitas corridas, muitas metas cortadas, RP batidos e medalhas ao peito - na corrida e na vida, claro.

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D