Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Runner Wannabe

Coisas da corrida de uma pretendente a corredora amadora.

Runner Wannabe

Coisas da corrida de uma pretendente a corredora amadora.

12
Nov17

O próximo desafio!


Runner Wannabe

Os 4,8K da Mini dos 20km de Almeirim, correram muito bem, é verdade!

O enquadramento foi muito favorável! :) Estava energizada pela estreia nos 4 ao km, o percurso era curto e plano, houve muitas pessoas a apoiar os corredores ao longo do percurso e havia sopa da pedra! :D

Um mimo de experiência!

 

Nos entretantos fui treinando, metendo mais alguns quilómetros nas pernas de modo a preparar-me para o próximo desafio. Desafio que já não é tão curto e de plano, não tem nada! Por outras palavras, Corre Jamor!

 

Vivendo eu quase à beira Tejo - planicie aluvial, a primeira a alagar em caso de cheias - e não me aventurando a correr a solo, por zonas menos conhecidas, tive de me desenrascar com a prata (topografia) da casa!

 

Passei a fazer treinos pelas ruas e estradas que mostrassem a maior inclinação possível, ao mesmo tempo que esticava os treinos para distâncias próximas de 10km! Só para terem uma ideia, o máximo de desnivel positivo que consegui remediar...segure-se quem sofre de vertigens...foram 68m! Ahahah!

 

Tenho cá para comigo que o Corre Jamor vai ser dureza! Não haverá uma única grama do meu ser que não vá estranhar! (Pensamento anti-ansiolítico: espero que a adrenalina  do momento possa compensar qualquer coisita!)

As características desta prova - neste momento - são um pouco de areia a mais para a minha camioneta, mas não é isso que me vai impedir de dar o litro e mais uma pinga! O resto logo se vê!

 

Até lá, boas corridas!

 

23
Out17

Ops!


Runner Wannabe

Estou sempre a dizer que tendo a exagerar e que preciso de ter paciência e calma nos treinos...

Tenho-me controlado o suficiente, mas ontem...bem...sou capaz de ter exagerado um "bocadinho"...

 

 

 

Não vou dar muitos pormenores, vou só dizer que durante metade do treino (3km), corri a ritmos completamente proibidos, dada a minha condição física! Não sei o que me deu! 

Estou quase arrependida! (Se me voltar a magoar, arrependo-me de certeza!).

 

Amanhã é dia de treino... espero ter juízo!

Acho que é por isso que escrevo estas linhas, para me comprometer a ter juízo!

Veremos!

 

Boas corridas a todos!

 

 

10
Out17

Dores de malas feitas?


Runner Wannabe

Tenho treinado -  pouquinho e devagarinho - mesmo quando as pernas pedem mais!

 

A recuperação tem sido lenta, e não sabendo como, lá consegui ter juízo e não exagerei nas cargas!

 

Mas isto tem sido um aborrecimento...

 

                                                            Mais ou menos isto, mas com muito menos estilo!

 

Aborrecido, mas talvez tenha dado resultado!

 

Ainda tenho de aguardar alguns dias -  e fazer uns treinos leves para confirmar - mas aparentemente, as dores estão de malas feitas e em fase de despedida! Finalmente!

 

Daqui a uns dias acho que já se pode treinar a sério, é que a minha forma está....

 

perto disto:

 

 

 

Boas corridas!

 

 

 

 

24
Jul17

Uma pausa merecida!


Runner Wannabe

 

Depois de ter sentido uma "comichãozinha", alertando-me para um eventual excesso de carga, comecei a pensar em fazer uma pausa para descansar.  Acolhi tão bem a ideia, que fiquei espantada comigo mesma!

 

Decidi fazer uma espécie de férias! E se dúvidas haviam, o empurrãozinho final foi dado pelos registos dos últimos tempos:

Maio -  23,30 km (em 3 semanas e lesionada)

Junho - 67,5 km

Julho - 42,5 (nas duas primeiras semanas...)

 

Como se pode ver, foi sempre a aumentar a carga! E com o aumento de forma, começaram a aparecer ritmos um pouco mais rápidos (vá...não muito rápidos...eu sei!)  e as distâncias também começaram a esticar e assim sucessivamente!

Sim, férias, definitivamente! Não só achei mercê-las, como achei que me faria bem descansar fisicamente!

 

Como antecipado na última publicação, reduzi o treino de Domingo (dia 16), que passou de longo a um médio de 5,5km num ritmo lapa de 7:28min/km! Sai um especial agradecimento para a Dona Insónia, que só me deixou dormir 3 horas na noite anterior, e para o pequeno almoço vestigial, de tão enjoada que fiquei, por não ter dormido o suficiente!

Não ir correr também nunca foi hipótese!

Penei...nas fi-lo! E este foi o último treino antes das "férias"!

 

Férias...será que uma semana se qualifica como férias, nestas coisas da corrida?

Pois não sei, mas foi esse o tempo de "paragem"!

Na realidade não parei, reduzi a carga para um total de 8km, mas em abono da manutenção da forma física, fiz duas sessões de reforço muscular e duas de flexibilidade -  que estou a ficar velhota e preciso de articulações oleadas!

 

Primeiro treino após "férias" 

 

Domingo, 23 de Julho

O despertador bem que tocou às 6:15h...mas sentia-me demasiado cansada para acordar!

Virei-me para o outro lado e ferrei-me ainda mais a dormir. Quando volto a acordar – quase em pânico - pensava que a manhã ia a meio,  mas não, eram quase 8:00h (ufa)! Já era tarde para correr - segundo os meus hábitos - mas a manhã ainda era uma criança para os não-corredores e não-ciclistas e não-adeptos-de-pesca e não me lembro de mais ninguém!

 

Apesar do atraso, o corpo não me pedia grandes pressas para fazer o quer que fosse! Arrastei-me em passo caracol, de um lado para o outro, até perceber qual era o meu propósito, naquela névoa que por vezes é a minha existência, pela manhã.

Alonguei.

Saí sem expectativas.

Sem ritmos pré -definidos.

Sem distância pensada.

Sem plano, rascunho ou esquisso de treino.

 

A única coisa que me preocupava marginalmente, era o calor que sabia que iria sentir. É que costumo correr cedo...tipo 6:30, quando está fresquinho, mas desta vez arranquei por volta das 8:30! Passados 15 minutos já estava com a roupa colada ao corpo...não gostei nada da sensação, logo tão no início da corrida.Pelo menos acordei! E quem me veio visitar? A Dona Censura entrou em acção, e vertendo bolhinhas de ironia e sarcasmo, deixou-me esta pérola...deves estar a pensar que vão-se organizar provas de estrada às 6:30 da matina, para a “princesa” não ter calor!!!

Olha não tenho paciência para te aturar!!! – respondi  - e deixei a Dona Censura a borbulhar azedume, na primeira curva que encontrei!

Liguei o MP3 jurássico e deixei-me rolar! Primeiro devagar – mais especificamente 7:42min/km no 1.ºkm...sim consigo ser that much lenta! – depois percebi que estava mais rápida, mas a minha preocupação foi em gerir o esforço e ir prolongando o treino, até achar que estaria na hora de parar (tudo muito científico!).

O calor foi aumentando, como seria de esperar, mas nem por isso senti mais sede, apesar de estar a transpirar muito mais! Mas lá bebi os 125ml, que levei comigo, yey!!!

Do que senti mesmo falta, foi de despejar água no pescoço e ombros – sabe sempre tão bem! - mas 125ml não dão para tudo! :D

 

Cifras

 

Foram corridos 8,06km (número "redondo"! ), em 54:27, a um ritmo médio de 6:45min/km.

Olhem, não achei nada mau, até porque: ia super-relaxada;  com zero expectativas; consegui gerir-me sob temperaturas mais elevadas; não me desconcentrei com as pragas que roguei ao vento (odeio correr com vento); senti o ritmo sempre confortável; e por último... o organismo respondeu à altura e sem sinais de "comichões"!

 Maravilha!!!

 

Pronto e é isto!

Parei uns dias,descansei, recomecei e correu bem -  este encetar não muito declarado - de um objectivo que ainda não consigo admitir, assim às boas, mas que dentro de semanas espero já estar mais segura para partilhar com a multidão! :)

 

Boas corridas!

 

 

 

02
Jul17

Resumo


Runner Wannabe

 

No Domingo passado completei 8,5km. Durante todo o percurso o corpo pediu para parar, mas a cabeça teimou no contrário. Arrastei-me por teimosia, por desafio...já não sei!

 

E no dia seguinte? Ui, ui! No dia seguinte, mais cansaço, com  a pressão arterial baixíssima e com a sensação que morava num corpo estranho, sensação esta que foi desaparecendo ao longo do dia - felizmente - porque estava a ser mesmo muuuuito estranho.

Cansaço acumulado, conclui! 

 

O treino de 3ª.F – que se pretendia ser de recuperação – foi curto e lento, mas nem por isso de recuperação! Foram 4km no total, mas com uma primeira metade cunhada por notórias dificuldades em controlar a respiração. Sentia-me cansada, pesada e ofegante - que trio! Depois lá consegui encontrar o ritmo que me deixou respirar com alguma eficiência, o que me permitiu terminar o treino, com um pequeno resíduo de brio atlético!

 

Com a 5ª.F veio o treino “rápido” da semana (curto e rápido).

Sentia que tinha recuperado energia, mas não sabia como estavam os "tanques".

O objectivo era simples, 4km a um ritmo mais puxadinho, simples não é? Pois, mas nada feito! Aos 3km tive de travar a fundo, para não perturbar uma matilha de cães, ok...eram só 3, mas eram grandes, sem dono à vista e que podiam facilmente decidir vir no meu encalço! Quebrei o melhor de todos os ritmos alcançados e fui obrigada a caminhar calmamente, durante uns 40m, até dobrar uma curva e sair do raio de visão dos bichos! Bem que retomei a corrida, mas o meu corpo não estava a seguir as ordens de comando, ou incentivo, não estava a reagir. Parei aos 3,4km, feitos a 6:10/km (gaita, estava a voar!), acalmei a auto-censura e acabei por fazer mais 2km a 7:10min/km, porque estava fora de questão ir para casa  só com 3,4km no bolso!

O que seria um treino rápido e curto, acabou por se transformar num treino curto mas “misto”. Voei, travei a fundo, tentei embalar e acabei quase em modo jogging (para mim!).

 

No final de 5ª.F fui acometida por uma tensão um tanto ou quanto impeditiva, na região lombar - vulgo cruzes - que piorou no dia seguinte. O treino agravou uma pequena tensão que não considerei ser algo que pudesse evoluir para uma rigidez que me impedia de fazer coisas tão simples como chegar com a ponta dos dedos das mãos, aos dedos dos pés...ficava-me aí pelo joelho...mais coisa, menos coisa! Por entre "quente", alongamentos e resguardo nalgumas tarefas, lá acelerei o processo de recuperação e no final de sábado já tinha a certeza que podia fazer o treino no Domingo (hoje). 

 

E eis que chegou Domingo e o respectivo treino longo.

Costas recuperadas, energia acumulada, músculos descansados e pequeno almoço ligeiramente reforçado para o que desse e viesse. E veio...mas não o que estava à espera!

Não comecei o treino assumindo que ía chegar aos 10km, mas geri a corrida de forma a estar em condições de ultrapassar essa distância.  Por volta dos 8,5km sentia-me bem, com energia e pulmão para dar mais uma volta ao circuito, o que resultaria num percurso total de 11,8K. Um par de minutos depois de ter decidido dar essa volta extra, começo a sentir um pequeno incómodo na parte externa do joelho direito...O fantasma da ITB accionou tudo o que eram luzes vermelhas no meu painel de controlo! Parei aos 9k para me resguardar, mesmo sem saber se aquela sensação era mesmo um sinal da ITB. Para ter a certeza, teria de continuar a correr e isso seria forçar uma possível inflamação.  Been there, done that e o resultado foi péssimo!

Como ainda tinha energia, o final da sessão consistiu numa valente tareia aka reforço muscular e exercícios de flexibilidade! Caneco, até fiquei com um andar novo!

 

Quando à tensão no joelho...espero que tenha sido provocada por alguma fadiga muscular, mas por via das dúvidas...  abrandamento, reforço muscular e exercícios de flexibilidade para cima dela!

 

Agora é esperar para ver...

 

Boas corridas!

 

 

 

 

 

10
Jun17

"Talvez seja melhor correr só amanhã"


Runner Wannabe

 Hoje acordei com o seguinte pensamento..."talvez seja melhor correr só amanhã".

Sacrilééégio!!!

 

Tive de me ignorar! Vesti-me depressa, tomei uma versão light de pequeno almoço, alonguei (ainda em casa) e passados 30' estava a fazer aquecimento pré-corrida.

 

Hoje não vou ligar ao que a aplicação me diz, vou silenciá-la e vou correr

o que me apetecer, ou o que as pernas derem...ou o que o pulmão deixar...

e com música!

 

Não costumo correr com música, mas hoje levei o meu MP3 (jurássico). Como comecei um pouco mais tarde que o costume, já se notava um calorzinho extra, mas uma brisa que se refrescava no Tejo, passava em metade do percurso que hoje resolvi fazer... e as temperaturas lá se equilibraram!

Premi o play e comecei a corridinha sem objectivo, senão o corre & enjoy praí , mas passados 2 minutos, o MP3 calou-se...

 

E agora sem música e sem a vozinha quase sexy da aplicação a dizer-me

as velocidade warp a que corro todos os santos minutos?" 

Ai pá, deixa de dramatizar! E quando não haviam estas tecnologias,

o people não corria, queres ver?

Distrai-te com os passarinhos e corre! Vá, vá, vá!

 

(Discurso interno de nuances esquizofrénicas...alguém se revê? Alguém...please!)

 

O MP3 não estava carregado, aqueles 2 minutos foi o aparelho a espremer-se...e pufff!

 Conhecendo-me suficientemente, sabia que ia ficar a remoer um bocado num pormenor de treta. Tive que me distrair de imediato!  Saí da ciclovia e acabei por adicionar ao percurso normal, um segmento - estrada de campo, em alcatrão - que não costumo fazer. Remédio santo! O complicómetro desligou-se, encontrei um ritmo confortável e distraída pela mudança de paisagem e climatizada pela brisa fresca que contrariava um Sol cada vez mais forte, lá fui palmilhando o alcatrão.

 

O ritmo foi realmente lento, mas por volta dos 4,1km, comecei a sentir um incómodo no "músculo manhoso". Reduzi ainda mais o ritmo -  de tão lenta que ia, quase que não justificava correr - mas lá continuei, até chegar ao local onde tinha garrafa de água - e uma bela de uma sombra. Contavam-se 5,1km. Parei, bebi água, desci a caneleira elástica - que me dá uma sensação de segurança - e massajei o local onde sentia maior tensão. Demorei talvez 90''. Decidi continuar  e até pensei que a coisa tivesse ficado resolvida, mas aos 300m a dorzinha voltou e parei aos 400m. Fiquei-me por ali, a franzir a testa e a semicerrar os olhos, para ver com maior nitidez o 6.º km. É a 2.ª vez que o miro mais ou menos daquele sítio... À 3.ª é de vez, dizem! Assim espero!

 

Fez ontem 1 mês que fiz o primeiro test drive, durante o qual corri durante 10 min.

Hoje corri 42 min., senti uma dorzinha, é verdade, mas muito honestamente, sabia que ela estava para aparecer mais dia menos dia. Ainda assim, o balanço das últimas semanas continua muito positivo!

 

Já se passaram algumas horas desde o treino e realmente o músculo está irritadinho, mas acho que ainda assim se tem portado muito bem, nas últimas semanas. Também já sabe o que o espera, massagens, alongamentos, exercícios....the usual,  aos quais vou juntar uns pós de descanso-mais-prolongado-entre-os-próximos-treinos e um aligeirar da carga. 

 

E nisto penso no pensamento matinal: "talvez seja melhor correr só amanhã". Vai na volta os deuses da corrida estavam a falar comigo e eu confundi-os com um ataque de preguicite!

 

Boas corridas, bons treinos, boas provas!

 

 

 

06
Jun17

Cinco


Runner Wannabe

Olho para o calendário e para os registos que fui fazendo...

 

Há um mês, estava de "férias" da corrida, da lesão (como se isso fosse possível), da preocupação de por causa de uma, não conseguir a outra. Melhorava e depois piorava, para melhorar e piorar logo de seguida. O desgaste começou a fazer-se sentir, até porque antes desta lesão contaram-se outras duas, resultando numa paragem de 5 meses.

 

Meti "férias"!

Precisava de descansar mentalmente. Durante 10 dias libertei-me da expectativa de voltar a correr em breve. Foram dias intensos, com horas marcadas para massagens e com alongamentos e exercícios específicos cronometrados ao segundo (precisava de quantificar as evoluções, quando surgissem). Durante 10 dias esqueci a corrida, foquei-me somente na recuperação, não havia prazo para regressar, nem sabia de quanto tempo seriam estas férias, só sei que animicamente precisava delas, precisava de carregar baterias!

 

Não foi fácil! Sempre que a mente "fugia" para a corrida, mudava-lhe o assunto, mudava-lhe a soundtrack, pensava em algo igualmente prazeiroso, mas concretizável daí a minutos ou horas (a horta ficou linda!). As rotinas de massagens, alongamentos e exercícios tornaram-se chatas. Passei a fazer massagens de olhos fechados, sempre que tinha oportunidade. Sim, parece estranho, mas por uma razão que desconheço, sentia-me mais calma enquanto enterrava os dedos perna adentro! Quanto aos alongamentos e exercícios específicos, acho que os experimentei em todas as divisões da casa -  e a horta não ficou invicta!

Cheguei a "trabalhar" a lesão de manhã cedo - ainda a dormir  - e a horas tardias, em que brigava com o sono... porque na minha mente, talvez uns 3 ou 4 minutos de alongamentos extra, antes de colapsar na cama, fizessem a diferença!

 

Há um mês estava de "férias", e sem saber, estava a 3 dias de fazer o primeiro test drive. Segundo os meus registos, nessa primeira sessão, corri 1km (uma fartura!). Lembro-me que foi mais longo o período de aquecimento do que o que corrida!

 

Volvido quase um mês, ultrapassei hoje a barreira (psicológica) dos 5K (5,4km, para ser exacta).

O ritmo continua a ser baixo, mas não podia ser de outra forma. Senti-me bem e acabei ainda melhor, com as pernas a pedirem mais velocidade e o cardio a aguentar-se nas horas! A tentação de ir aos 6k, esteve presente, mas decidi que os pequenos ganhos têm de ficar muscularmente (e tendinosamente) bem assimilados, para que suportem com segurança cargas superiores, num futuro muito próximo mas não imediato! Por outro lado, apraz-me saber que essa distância está completamente ao meu alcance e que numa próxima oportunidade será confortavelmente atingida.

 

Próximo treino: menor distância, ritmo um pouco mais elevado (vou ficar com os bofes de fora!)

 

Boas corridas!

 

PS: ITB? O que é isso?

28
Mai17

Treino ligeiramente adiado - bons motivos.


Runner Wannabe

Hoje o treino começou um pouco mais tarde que o previsto. O alarme bem que tocou, mas eu bem que o desliguei!

Ainda assim, às 8:15 estava iniciar os alongamentos pré-corrida. Alonguei, aqueci, alonguei e antes de começar a corridinha, decidi esperar que um outro usuário terminasse o segmento da ciclovia, onde iria começar a demanda de hoje. Comecei em passo ultra-lento e ouço o feedback de aplicação de que foram cumpridos os primeiros 100m. Reparei que o outro usuário parou na primeira curva e olhava para o chão como se estive à procura de algo. Ao aproximar-me mais uns metros, percebi do que se tratava.

 

IMG_1716.JPG

 Era um gatinho lindo e fôfo, que apesar de aflito (a miar bastante), parecia não ter medo de pessoas. Pelo tamanho e peso, parecia/parece ter cerca de 7 a 8 semanas. 

 

 

IMG_1715.JPG

 Gatinho a desenrascar-se (ida à casa-de-banho).

 

 

Perdido ou ali deixado, não sei! Sei que hoje  foi encontrado e acolhido  - nem pensei muito sobre o assunto.

Agarrei nele, coloquei-o dentro do boné e trouxe-o comigo, assunto arrumado! E apesar de não me conhecer, portou-se lindamente durante a viagem de 4/5 minutos, de bicicleta.

 

 

IMG_1731.JPG

 

Já tenho um gatinho (com 1 ano), o Rufino...e comecei a pensar na sua reacção ao pequenote...fiquei apreensiva, confesso.

Rufino dorme que se farta, mas quando está acordado...é hiperactivo...e não faz nada, mas nada do que lhe digo! Responde muito bem por: "anda"  e "vamos à horta". Gosta de me acompanhar nalgumas corridinhas de poucos metros e prepara-me embuscadas (atrás de plantas ou vasos de flores), qualquer dia ou caio, ou piso-o!

O Rufino é dono do pedaço,isto é, dos pedaços todos!

Apresentei-os...

 

IMG_1718.JPG

 

Apesar de terem manchas diferentes, o facto de serem ambos monocromáticos,

torna-os muito parecidos!

 

Está a correr bem...por agora - o Rufino parecia um stalker (do tipo creepy), mas já se ambientou mais ao pequenote, que por sua vez, reclama para si espaço, atenção e brincadeira! Mas o Rufino anda com uns modos de poucos amigos e fica alterado sempre que vê o pequenote nos "seus" sítios! 

Vai-me dar mais trabalho o Rufino, que o pequeno...vai ser bonito, vai!

 

Mas e o treino?

Adiei o treino da manhã  para ficar a monotorizar o felino residente e o felino recém chegado. Mas dado que as coisas até estavam a correr medianamente bem e a hora de almoço estava a aproximar-se, resolvi fazer a corridinha que havia adiado. Dadas as horas, o estômago já reclamava necessidade de um lastro nutritivo...e o que "inteligentemente" resolvi fazer? Comer! Comi uma maçã...e um brigadeiro que me soube tão bem, mas tão bem, que cheguei mesmo a pensar "agora com este boost de energia, até corria meia maratona".

Estava a terminar os alongamentos e aquecimento (pela 2.ª vez, hoje), quando sinto um pequeno incómodo na zona abdominal, tipo uma mini cólica. Não liguei muito, passou e fiz a corridinha - que correu muito bem - mas passados um par de minutos de ter terminado...fui a sprintar para a bicicleta e depois sprintei - de bicicleta - até casa! Entre os suores quentes da corrida e suores frios, da briga que acontecia interiormente, ainda consegui pensar, que se uma coisinha destas me acontecesse numa corrida...finito ali na hora!

Conclusão: nunca mais como maçã, antes de uma corrida!

 

Boas corridas...e cuidado com aquilo que comem antes das mesmas!

 

 

26
Abr17

Enquanto a malta ia para a corrida, eu ia para o massagista.


Runner Wannabe

Metro de Lisboa, Baixa-Chiado

Um conjunto de corredores fardados a rigor, entrou na “minha” carruagem e sacudiu-me do torpor matinal, de quem não se importa de passar pelas brasas por "só mais cinco minutos"!  Nas paragens seguintes, outros grupos que se dirigiam para o mesmo destino, juntaram-se à festa e compuseram a palete de cores da carruagem, com um claro predomínio de cores que se veem a partir da Lua!

 

Enquanto a malta ia para a corrida, eu ia para o massagista – pensava eu em jeito tugo-fatalista - mas depois lá me distraí com as conversas dos corredores - coisa tugo-típica.

Falavam de tempos, marcas, corridas, equipamentos, treino, particularidades do percurso, provas passadas e provas futuras.

Passaram-se algumas estações, passou-me o sono… e ali estava eu, disfarçada de “civil”, a sorver as informações, a achar piada e a pensar: na próxima Corrida da Liberdade, já poderei usar a vossa “farda” e seguir com o resto do batalhão!

Mais 2 ou 3 estações e sairia.

Desejei boa corrida aos corredores que estavam junto a mim e lá fui levar mais umas marteladas, para endireitar as peças tortas – assim pensava eu…

 

Zona de Benfica

Cheguei cedo…para variar!

Costumo chegar cedo a estas coisas. A culpa foi de uma avó, que me obrigava a estar meia-hora antes da hora marcada, de qualquer coisa! Era o seu conceito de pontualidade “não fosse alguma coisa acontecer", dizia ela.

A minha noção de pontualidade ficou irremediavelmente afectada, contudo, um pouco mais realista. Para mim ser pontual, é chegar 5 minutos antes. Mas desta vez cheguei 10 minutos adiantada!

A acompanhar a leitura de revistas-de-sala-de-espera, tinha como banda sonora, os discursos na  Assembleia da República, transmitidos em directo pela televisão, e os gemidos do cliente que me precedia, ao receber as "bênções" das mãos do Urbano.

 

Gaita! A seguir sou eu, eu sei que isto dói, mas logo de manhã apanhar uma “sova”? Bahhh….

Não me apetecia, a sério, mas tinha de ser!

 

Podes vir S. - disse o Urbano.

 

Antes do “enxerto”, fiz um relatório detalhado, dos quês, dos ondes e de alguma informação que tenha considerado pertinente.

As massagens e as dicas que o Urbano me tem dado, colocaram-me no caminho da recuperação. As evoluções são óbvias (agora), mas foram lentas e dolorosas. Contudo nos últimos dias, aconteceu um salto qualitativo na recuperação da lesão. Melhorias inesperadas na forma como sinto o  pé e tornozelo a reagir às solicitações do dia-a-dia, ou de pequenas corridas, fazem-me agora acreditar que a recuperação total já não será tão morosa. Mas deste assunto falarei na próxima publicação.

 

Para meu enorme espanto, durante a sessão não proferi mais do que 3 “ais”! Trinta minutos e 3 “ais”? É um record! Ainda pensei “será que me estou a habituar à dor?”.

O que se passa é que as inflamações estão a passar, logo as massagens não provocam dor de intensidade semelhante à sentida, em fases mais precoces da recuperação. Aliás, praticamente não senti dor!

Saí mole e relaxada, como não imaginava poder sair! Bocejava que nem uma perdida, e não fosse ter marcado um teste da passada, acho que me encostava a um canto e dormia!

 

Rumei à Sport Zone do Colombo, para o referido teste. Já o devia ter feito, é verdade, mas fico contente por não me ter enganado quanto ao resultado! Mas já lá vamos.

 

Cheguei 10 minutos antes da hora marcada (para variar) e aproveitei para namorar uns trapinhos. Com o aproximar da hora, e após o pagamento do teste, fui encaminhada para a zona de Running tendo-me sido pedido que esperasse junto à passadeira. Como não me apetecia estar sentadinha à espera, continuei a bisbilhotar os artigos de running! 

Excuse me, do you need any help? Um colaborador da Sport Zone, abordou-me assim.

Naqueles milisegundos ainda me senti tentada em responder no mesmo idioma, mas não resisti em desmanchar o mal-entendido.

 - Não, não obrigada, só estou à espera da pessoa que me vai fazer o teste da passada! É você?

 - Ah, desculpe, pensei que não fosse portuguesa!

 - Não faz mal, acontece às vezes.

 - Mas é você que me vai fazer o teste?

 - Não, é uma colega.Fez marcação?

 - Sim e já paguei!

- Vou chamá-la.

- Ok, obrigada!

 

Passados alguns minutos estava em cima da passadeira. Bicho estranho aquele, até nos habituarmos. Depois de uma caminhada, seguiu-se uma corridinha.

 - Costuma correr sem apoiar o calcanhar?

- Não, mas já notei que o estou a fazer aqui na passadeira, dê-me só mais uns segundos para me habituar.

Lá descontraí e o tum, tum, tum dos meus calcanhares lá se começou a fazer ouvir. Imagens feitas. Mas quanto a passadeira parou...vai de tonturas! Tive me agarrar ao braço da máquina e ainda tive de me sentar, para recuperar.

 

A senhora tem síndrome vertiginoso? 

Pensamento 1: Antes tratavam-me por menina, agora já é por senhora? Dassss.....!!!

Pensamento 2: Tenho é fome!

 

Não, deve ser o meu ouvido interno a demorar na atualização, nunca tinha andado nestas coisas, isto já passa!  

(é por estas e por outras que o título de "senhora"/cota se justifica plenamente!)

 

A análise da imagens revelou que apesar de ter passada pronada -  com o pé direito a pronar ligeiramente mais que o esquerdo - o grau não justifica o uso de calçado para passada pronada. A recomendação feita recaiu em calçado para passada neutra. Foi este resultado que sempre suspeitei que o teste mostrasse.

 

Perguntaram-me se estava interessada em experimentar alguns modelos, sem qualquer compromisso de compra. Aproveitei e experimentei 2 pares, uns Nike e uns Asics. O preço de cada um destes meninos tinha 3 dígitos, com os valores a tangenciar as duas centenas de euros! Ainda perguntei se os ténis traziam GPS incorporado, ou se caminhavam sobre a água, ou se carregavam baterias…enfim um rol de parvoíces que ilustravam o meu grau de exigência para com um produto…com aqueles preços!

Mas seria injusto não dizer, que ao experimentar um desses ténis (os Nike), apeteceu-me saltar para cima da passadeira e baixar dos 50’ aos 10K, sem treino, lesionada e antes de almoço…eu sei, ridículo…principalmente porque eram quase 13:00 e eu estava faminta! 

 

Felizmente tive a sorte num aspeto. A técnica que me atendeu, conhece os modelos de ténis que uso e confirmou que para as especificidades da minha passada, os ténis eram adequados. Claro que voltou a fazer referência a modelos super-hiper-mega-caros, mas era o papel dela!

 

Conclusões: andar de mochila e exibir um ar de surpreendida ou perdida, pode levar outras pessoas a pensarem que sou turista e por default, estrangeira; correr em passadeira, é estranho; o meu grau de pronação não justifica sapatos para pronadores; os sapatos que tenho são adequados; sapatos que tangenciam as duas centenas de euros, definitivamente têm de oferecer mais do que falsas sensações de recordes batidos, por margens bizarramente grandes!

 

Corridinhas

Desde a última publicação, aumentei os tempos de corrida. O sr. Tornozelo continua a acomodar bem a carga proposta, se bem que hoje, devido a outros factores, deu um ar de sua graça. 

Comecei por singelos  5' de tempo total de corrida. Depois 7', depois 9' e hoje já registei 11' (7'+4'). É um trabalho em progresso!

As corridas têm sido feitas em asfalto, mas esta manhã, por uma razão que não me recordo, decidi correr em terra batida. Má opção! Ainda é cedo para terra batida. O tornozelo sentiu saudades da estabilidade do asfalto, onde terei de treinar, até a articulação estar forte o suficiente, para conseguir absorver e compensar a instabilidade, provocada pelas irregularidades de estradas de terra batida.

Prossegui com cautela. O plano eram 7’ de corrida + 2’ de caminhada + 4’ de corrida + 2’ caminhada, que foi cumprido na íntegra…mas claro, sabe sempre a pouco! A parte cardio continua a reagir bem.

 

Agora é continuar atenta às sensações que vou tendo e ajustar, consoante considere seguro (espero ter bom senso).

Massagens (auto-massagens), exercícios específicos vão continuar, e com ou sem horta, exercícios de reforço muscular são para ser levados a sério, muito a sério, se me quiser juntar aos batalhões de corredores de “fardas”, cujas cores se veem da Lua! Corredores que comemoram a liberdade, causas solidárias, o bem-estar ou simplesmente a alegria de correr.

 

Bons treinos!

Boas corridas!

26
Fev17

E umas tréguas, não?


Runner Wannabe

Ok, deve ser só uma fase... (vou repetindo várias vezes por dia...)

No último treino que fiz, senti uma dor na parte interior do tornozelo. Pensando que era falta de aquecimento, abrandei, mas continuei o treino já de si curto (3F, dia 21). Quando o pé arrefeceu, a dor voltou e persistiu o dia todo. A dor foi passando nos dois dias seguintes, até se tornar residual (5F, dia 23), mas por resguardo, decidi dar mais uns dias só para ter a certeza que a questão estava resolvida.

Manhã de 6F, dia 24...ao sair da cama o pé escorrega no chão e torce para dentro, solto um fo##-se a antecipar a dor que iria sentir - afinal o pé não estava bem. Não doeu assim tanto, foi mais o susto...até precisar do pé para andar! Magoei ainda mais o pé, que passado uns minutos inchou um pouco. Pensei que fazendo gelo algumas vezes, a coisa ía embora. Não foi e ontem ainda parecia mais dorido, apesar do gelo e dos cuidados com as cargas... Hoje sinto-o melhor...mas nisto passaram-se 5 dias sem treinar corrida.

Quantos mais dias de descanso de corrida? Não sei! Mas honestamente... já agradecia umas tréguas de lesões e impedimentos.

2017-02-25 15.56.58.jpg

                                      Crioterapia...

 

Já agora aproveito para partilhar o seguinte - provavelmente fui a última a saber, ainda assim vou partilhar - ao juntar água e álcool resulta uma solução que quando congelada adquire uma consistência não de gelo sólido, mas de um gel e portanto moldável. As proporções que usei foram próximas de 70% de água e 30% de álcool. Usei 2 sacos de congelar alimentos, para evitar fugas e resultou muito bem!

(Já que este blog parece estar a transformar-se mais num rol de maleitas e lesões, do que nas minhas experiências de corrida, mais vale começar a completá-lo com dicas úteis na recuperação das mesmas!)

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D